Byrne insiste que os sites como o Spotify estão a esmagar os projetos emergentes, na medida em que os seus proprietários estão a pagar aos artistas uma “ninharia” pelas suas músicas, não lhes dando o suficiente para a sua sobrevivência.

“Eu conseguiria, concebivelmente, sobreviver, na medida em que não dependo da ninharia que recebo dos serviços de streaming, tal como conseguiria o [Thom] Yorke e alguns dos outros”, afirmou, continuando: “Mas os artistas emergentes não têm essa vantagem – alguns não chegaram ao ponto em que podem fazer vida à custa das performances ao vivo e do licenciamento. O que pensarão eles destes serviços?”.

David Byrne rematou: “O que está em jogo não é tanto a sobrevivência de artistas como eu, mas a dos artistas emergentes e daqueles que têm apenas alguns discos… Sem novos artistas, o futuro da cultura musical parece sombrio”.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.