No seu galático historial, houve algumas trocas de membros, com excepção do trio fundador Petrucci-Myung-Portnoy, juntos há 25 anos. Por isso, após a atribulada e mediática substituição de Portnoy por Mangini (com direito a mini-série e tudo), não se tratava apenas de mais um espectáculo; para os fãs, era o teste decisivo da nova simbiose entre o grupo e o recém-chegado baterista.

As coisas não começaram bem: a banda de abertura, o quinteto de Vila Nova de Gaia Forgotten Suns, cancelou o seu espectáculo.

Contudo, não parece ter havido grandes dificuldades, e, com muito pouco atraso dadas as circunstâncias, houve Dream Theater mais cedo que o previsto.

Os conhecedores do género já o sabem: é muito difícil traduzir em texto um espectáculo destes. A complexidade, fluência e o entrosamento entre solos, as mudanças de ritmo, tudo se mistura e a perfeição com que cada tema é executado chega a parecer inconcebível.

Por entre temas instrumentais como The Ytse Jam, visitas ao passado com Peruvian Skies e favoritas do público como Through My Words / Fatal Tragedy (quando milhares de vozes em coro se sobrepuseram a LaBrie) houve um pouco de tudo, do ambient e mais pesado aos espaços para virtuosismo, pelas mãos de Petrucci, Myung e Rudess. E a grande
úvida da noite, o irritante "Será que existe sucessor para Portnoy?" foi dissipada numa performance avassaladora de Mike Mangini (com direito a cinco minutos de solo) levando a multidão a aplausos em pé, numa espécie de gesto de boas-vindas.

A banda trouxe também, claro está, o novíssimo "On The Backs of Angels", uma espécie de single quase-radio-friendly do álbum que dá nome à tour, A Dramatic Turn of Events. Ainda que num registo menos progressivo e complexo, o público correspondeu, e grande parte dos fãs das filas da frente tinha já toda a letra na ponta da língua.

Para terminar o espectáculo, já em fase de encore, houve tema épico: vinte minutos de The Count of Tuscany, num dos picos mais altos da noite. Plateia em pé, numa estrondosa ovação a toda a banda, e, percebeu-se, num "Obrigado por não desistirem".

Em suma, a receita Dream Theater está viva, recomenda-se, e continua inigualável no panorama progressivo actual. Mike Mangini demonstrou não ser um músico qualquer e, para os que duvidavam das capacidades do ex-companheiro de estrada de Steve Vai e seus pares, assistiu-se a uma demonstração mais do que suficiente do que podemos esperar no próximo álbum, agendado para Setembro deste ano.

Setlist:

Under a Glass Moon

These Walls

Forsaken

Endless Sacrifice

Drum Solo

The Ytse Jam

Peruvian Skies

The Great Debate

On the Backs of Angels

Caught In A Web

Through My Words

Fatal Tragedy

Encore:

The Count of Tuscany

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.