Os ABBA anunciaram que escreveram e gravaram as suas primeiras canções desde que se separaram em 1982, há 35 anos.

O quarteto sueco, que liderou os tops mundiais nos anos 1970 e 1980 e que vendeu milhões de discos, confirmou no Instagram que vai lançar duas novas canções e arrancar com uma digressão mundial de avatares.

"Passados 35 anos, achámos que poderia ser divertido juntar esforços outra vez e entrar de novo no estúdio. Foi o que fizemos", frisam os ABBA. "E foi como se tivéssemos ficado parados e só tivéssemos estado afastados para umas pequenas férias. Foi uma experiência extremamente feliz", acrescenta a banda.

De acordo com Agnetha, Benny, Bjorn, Anni-Frid, o tema "I Still Have Fair In You" será apresentada num especial de televisão produzido pela NBC e a BBC e que será transmitido em dezembro. "Podemos ter mais idade, mas a música é nova. E sabe bem", rematam.

Formados pelos compositores Björn Ulvaeus e Benny Andersson, e com as vozes de Agnetha Fältskog e Anni-Frid Lyngstad, os suecos ABBA saltaram para o estrelato internacional quando venceram o festival da Eurovisão, em 1974, com o tema "Waterloo". A partir desse momento, os discos "Abba" (1975), "Arrival" (1976), "The Album" (1977) e "Voulez-Vous" (1979) consolidaram o grupo em diversos mercados.

Separado desde 1982, o grupo sueco dominou os tops nas décadas de 1970 e 1980 com temas como "Mamma Mia", "Waterloo", "Dancing Queen", "Fernando" e "Take A Chance On Me".

Os concertos dos ABBA em Londres no final da década de 1970, que ajudaram a definir musicalmente, rapidamente se destacaram. Para um grupo que fez digressões apenas pontualmente, estes espetáculos foram um ponto alto - nos bastidores foram vistos nomes como Ian Dury, Joe Strummer, dos The Clash, ou Jimmy Page, dos Led Zeppelin, interessados em conhecer a banda. John Cleese, dos Monthy Phyton, também passou por um concerto dos ABBA.

Audiência e críticos ficavam surpresos pela forma como o grupo reproduzia ao vivo a sua sonoridade de estúdio. Os músicos que tocavam com o grupo eram experientes profissionais suecos.

Em 2013, os autores de "Mamma Mia" ou "Dancing Queen" viraram a página dos seus anos em palco, criando um museu na capital da Suécia que sucitou algumas reticências ao início. "Estava um pouco reticente com o facto de me tornar numa peça de museu, nem sequer queria ouvir falar nisso. Mas mudei de opinião quando me apercebi que o museu iria ficar sediado em Estocolmo, que não iria ver isso de longe", explicou Björn Ulvaeus.

A história de Björn e dos restantes elementos da banda, criada em 1972, está reconstituída no museu, através de fotografias de infância, os primeiros sucessos, a formação do projeto, as imagens dos dois casais na sua intimidade, mas também a reconstituição do escritório do produtor, a mesa de trabalho do estilista e o estúdio de gravação.

O visitante é guiado através de 1.300 metros quadrados ao som dos seus ídolos, graças a existência de áudios gravados para o efeito. "Falamos da vida quotidiana, da vida com os filhos, da rutura da banda, das crises, (…), dos divórcios. Ultrapassamos a imagem lúdica que sempre demos", adiantou. Björn Ulvaeus foi casado com Agnetha, com quem teve dois filhos. Benny e Anni-Frid formavam o outro casal. Num ambiente descontraído, o visitante pode ainda cantar em palco com os ABBA e admirar o seu vestuário da altura. A mítica banda sueca, que durou dez anos, vendeu 378 milhões de álbuns no mundo inteiro.

Em público, a banda juntou-se pela última vez em 2016, para a inauguração de um novo restaurante inspirado no musical "Mamma Mia" em Estocolmo.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.