Os slogans são conhecidos: máscara obrigatória, dançar sozinho e a mais de um metro de distância da próxima pessoa.

Os 200 ou 300 clientes da "Kiki" dançam ao ritmo da música eletrónica. Muitos sem máscara, conhecem pessoas, sorriem ou seguram as bebidas. Corre o boato de que a polícia pode aparecer a qualquer momento. Os funcionários e o DJ conseguem, depois de várias tentativas, convencer todos a usar a máscara.

Enquanto a ameaça de uma segunda onda é repetida em vários países europeus, e depois de Espanha ter decidido fechar as suas discotecas, uma Itália relativamente segura no momento tenta, à sua maneira, controlar os novos focos no verão em pleno "Ferragosto", o badalado final de semana de 15 de agosto.

O governo teme que a vida noturna, geralmente lotada no "Ferragosto", contribua para o aumento das infecções, como aconteceu em Espanha.

Em Itália, a questão é politicamente delicada, já que fechar bares durante as férias de verão seria muito impopular, num país que está recuperar-se lentamente de uma pandemia letal (35.225 mortos) e do confinamento dramático.

As discotecas indoor não foram autorizadas a abrir, para tristeza de um setor que emprega 50 mil pessoas em mais de três mil casas noturnas, segundo o sindicato dos gerentes de casas noturnas. Porém, as discotecas ao ar livre e cafés-clubes em terraços podem funcionar, caso os presidentes locais e governos das regiões afetadas permitam.

A imprensa italiana já criticou o sistema. "Os contágios aumentam mas o país dança", afirmou o Corriere Della Sera, um dos principais jornais italianos, particularmente crítico com a região da Sardenha, onde os bares e discotecas se tornaram "máquinas contagiosas alegres"

Para o órgão científico consultado pelo governo sobre o vírus, as discotecas ao ar livre "deveriam ser fechadas", já que as concentrações de pessoas suadas são potencialmente "devastadoras" e "impossíveis de controlar".

Em bares, "adapta-se como pode", diz Gianluca Skiki, um organizador de eventos em Fregene, na costa romana.

Sob o céu estrelado, as mesas dos jovens italianos muitas vezes acabam a cantar os clássicos - "Viva l'amore!" - entoados por um cantor local, que mais tarde é substituído por um DJ. Longe das festas despreocupadas e selvagens de anos passados, este "verão é estranho", afirma a imprensa local. "Estranho Ferragosto", repete Gianluca, "espero que seja o último deste tipo".

Os bares e discotecas estiveram encerrados em Portugal desde março devido à pandemia de covid-19, mas desde o dia 1 de agosto que puderam começar a funcionar como cafés e pastelarias

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.