O texto do vocalista Bono é publicado na mesma semana em que a banda irlandesa inicia uma digressão que tem passagem marcada por Lisboa nos dias 16 e 17 de setembro.

“A palavra patriotismo foi-nos roubada por nacionalistas e extremistas”, afirma Bono, considerando que “os verdadeiros patriotas procuram a união acima da homogeneidade”, e que este é que é “o verdadeiro projeto europeu”.

Partindo deste pressuposto, o músico questiona: “Poderemos colocar os nossos corações nesta luta?”.

Os valores e as aspirações da Europa fazem desta muito mais do que apenas uma geografia, vão ao âmago de quem somos como seres humanos e quem queremos ser, escreve o músico, considerando que esta ideia de Europa “merece canções escritas sobre ela, e grandes bandeiras azuis e brilhantes acenadas”.

Esta afirmação decorre de uma ideia “provocadora” que a banda teve para a sua próxima digressão, que começa esta semana em Berlim.

“Disseram-me que uma banda de rock está no seu melhor quando é um pouco transgressora: quando estica os limites do chamado bom gosto, quando choca, quando surpreende”, escreveu, adiantando que a banda pretende, durante o concerto, agitar uma bandeira da União Europeia (UE), “grande, brilhante e azul”.

“Imagino que mesmo para um público de rock, agitar uma bandeira da UE nos dias de hoje é um aborrecimento, uma chatice, uma referência kitsch ao Festival da Eurovisão, mas para alguns de nós tornou-se um ato radical”, defendeu Bono.

O músico lembra que a mesma Europa que durante muito tempo provocava um bocejo, “hoje desencadeia uma disputa de gritos na mesa da cozinha”, que é um palco de forças poderosas, emocionais e conflituantes que vão moldar o futuro.

“O nosso futuro”, sublinha o cantor, considerando: “não há como negar que estamos todos juntos neste barco, em mares agitados pelo clima extremo e pela política extremista”.

Bono aborda ainda a questão dos refugiados, afirmando que se sente orgulhoso, quando se lembra de que “os alemães receberam refugiados sírios assustados” (e mais se sentiria se mais países se tivessem juntado); “orgulhoso da luta da Europa para acabar com a pobreza extrema e as alterações climáticas; e, sim, extraordinariamente orgulhoso do acordo de Belfast e de como outros países se uniram à Irlanda na questão das fronteiras, reavivada pelo Brexit”.

“Sinto-me privilegiado por ter testemunhado o maior período de paz e prosperidade de todos os tempos no continente europeu”, acrescentou.

No entanto, Bono alerta que todas essas conquistas “estão a ser ameaçadas, porque o respeito pela diversidade - premissa de todo o sistema europeu - está a ser desafiado” e salienta que “a diferença é da essência da humanidade, e deve ser respeitada, celebrada e até mesmo cultivada”.

“Adoro as nossas diferenças: os nossos dialetos, as nossas tradições, as nossas peculiaridades, ‘a essência da humanidade’, como definiu Hume. E acredito que eles ainda deixam espaço para o que Churchill apelidou de ‘um patriotismo ampliado’: alianças plurais, identidades em camadas, irlandeses e europeus, alemães e europeus, e não uma coisa ou outra”.

Bono termina afirmando que “para prevalecer nestes tempos conturbados, a Europa é um pensamento que precisa de se tornar um sentimento”.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.