"Sinto-me um pouco melhor (...), mas entretanto tenho espasmos", explicou Celine Dion num comunicado de imprensa, onde informou aos seus seguidores sobre as severas contrações musculares involuntárias que começou a sentir no final do ano passado.

"Sinto muito em ter de voltar a mudar as datas da digressão europeia; a primeira vez foi pela pandemia, agora é por minha saúde", disse a cantora de 54 anos.

"Para subir a palco, tenho de estar no meu melhor. Para ser sincera, mal posso esperar, mas ainda não estou preparada. (...) Estou a fazer todos os possíveis para voltar 100% (...), porque é o que vocês merecem", lamentou.

Esta digressão da vencedora do Grammy é a primeira sem o seu marido e agente, René Angelil, que morreu de cancro em 2016.

Dion chegou a fazer os primeiros 52 concertos de sua digressão mundial antes do início da pandemia de COVID-19, no inicio de 2020. Em janeiro anunciou que cancelaria as datas dos EUA por problemas de saúde.

Ao falar diretamente aos fãs num vídeo online e com a voz emocionada, Dion agradeceu o apoio e a compreensão.

"A boa notícia é que estou um pouco melhor, mas [a recuperação] é muito lenta e muito frustrante para mim", disse. "Aprecio a vossa lealdade", assinalou.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.