Ouvir em loop as canções dos cabeças de cartaz, combinar horários com os amigos, pensar no visual e em tudo o que queríamos fazer dentro da Cidade do Rock: este seria o pensamento por estes dias, em que o Parque da Bela Vista, em Lisboa, receberia mais uma edição do Rock in Rio. Mas, devido à pandemia da COVID-19, a nona edição edição do festival foi reagendada para 2021 - a Cidade do Rock vai voltar a abrir portas a 19, 20, 26 e 27 de junho e os bilhetes já adquiridos são válidos. Em 2022, a festa também já está assegurada.

Este sábado, dia 27 de junho, para assinalar a data em que o Rock in Rio Lisboa estaria a decorrer e para dar o pontapé de saída para a edição de 2021, a organização preparou uma emissão especial que poderá ser acompanhada do SAPO, no site do festival, na SIC Radical, SIC Radical nas rádios Renascença, RFM e MegaHits, e nas redes sociais - saiba tudo aqui.

Jessie J
créditos: agenciazero.net

Em conversa com o SAPO Mag, Roberta Medina, vice-presidente do Rock in Rio, confessa que a "primeira palavra que descreve o que sentimos na hora de reagendar foi frustração". "Foi extremamente frustrante porque já vínhamos com uma conversa nova, de que o 'Rock in Rio não pára'. Estava tudo a correr bem, tínhamos o cartaz que queríamos, público entusiasmado. Ia ser uma edição muito especial. Foi frustrante, mas acho que a partir do momento em que avaliámos financeiramente, se fazia sentido, quais os impactos, e na hora que decidimos vamos adiar, é em 2021, e é ir em frente. Aí pensámos temos futuro e olhámos para o futuro. Ficámos focados no futuro e isso dá um ânimo diferente à equipa - se ficássemos em dúvida durante muito tempo, isso sim, ia ser mais complicado de gerir. E houve alguma tranquilidade pelo facto de que o que está a acontecer é tão mais grave do que a nossa própria realidade", conta.

E o futuro já está a ser pensado e planeado - o Rock in Rio Lisboa, que normalmente se realiza nos anos pares, já anunciou os primeiros nomes para 2021 (Foo Fighters, The National e Liam Gallagher). "Temos a indicação da vontade de renovar, os artistas querem tocar, mas estão dependentes de muitos fatores, de promotores - há muitos detalhes para viabilizar uma digressão. Para fechar uma data de um concerto, as outras datas têm de fazer sentido", lembra Roberta Medina.

Recorde todas as edições do festival em Portugal:

Ao contrário do habitual, o festival do Parque da Bela Vista, em Lisboa, vai realizar-se em dois anos consecutivos. "Também estou curiosa em relação ao intervalo de um ano. Vai ser divertido. Acho que operacionalmente a produção vai ser mais fácil - apesar do cansaço, acho que é mais fácil não parar. O grande desafio vai ser a inovação, temos de surpreender o público com conteúdos diferenciados de entretenimento. Temos esse desafio e essa proposta, de sermos uma cidade, um parque temático - sem falar da música, que está sempre garantida. Temos de conseguir criar e a divulgar as novidades muito rapidamente", explica a vice-presidente do Rock in Rio ao SAPO Mag.

Do Rio de Janeiro a Lisboa

Cores, calor e pop: fãs de Anitta e P!nk invadem Rock in Rio Brasil

Enquanto não podemos voltar ao Parque da Bela Vista, temos um baú repleto de memórias que marcaram os 14 anos do Rock in Rio em Portugal. Mas antes da chegada a Lisboa, a viagem e a história do festival começou a escrever-se no Rio de Janeiro, no Brasil.

Considerado um dos grandes festivais do mundo, o Rock in Rio conta já com 19 edições em quatro cidades - Rio de Janeiro, Lisboa, Madrid e Las Vegas. Durante 34 anos, os mais de 100 dias do evento receberam mais de 1600 artistas, que foram aplaudidos por mais de 8,5 milhões de pessoas.

Mas como é que tudo começou? Com um sonho de Roberto Medina, que pretendia mostrar uma juventude forte e capaz e promover a cidade como destino turístico. O projeto começou a ser realizado a partir de um pedido de campanha para rejuvenescer a cerveja Brahma, através da qual acabou por ser criada Cerveja Malt 90. A agência respondeu com uma plataforma de comunicação que viria a ser o maior festival de todos os tempos.

A história de amor da família Medina com a cidade vem desde dos anos 1950, quando o pai de Roberto Medina, Abraham Medina, já realizava eventos no Rio de Janeiro. Entre estes, o Festival do Rio, com uma série de espetáculos realizados durante todo o ano: festival da canção, ballet, encontros de folclore, festivais de culinária, atuações de bandas nacionais e internacionais. Em alguns deles, convocou grandes nomes da música na época, caso de Nat King Cole, Sammy Davis Jr., Neil Sedaka, Connie Francis ou Harry James, entre outros.

FRANK SINATRA E O ROCK IN RIO

Em várias palestras, nomeadamente na Rock in Rio Academy, Roberto Medina relembra sempre que a primeira edição aconteceu, em parte, graças a Frank Sinatra.

Roberto Medina

Nos anos 1980, muitas bandas internacionais não atuavam no Brasil - os empresários brasileiros da indústria da música tinham a fama de não respeitar os contratos, relembra a revista Exame. Mas Roberto Medina conseguiu, em 1980, organizar um concerto histórico de Frank Sinatra no Maracanã e que juntou 175 mil pessoas.

Depois de ouvir dezenas de 'nãos', o presidente do Rock in Rio pediu ajuda ao artista norte-americano, que aceitou participar numa conferência de imprensa sobre o festival. Logo depois, Ozzy Osbourne e Queen disseram 'sim' para subir ao Palco Mundo.

"Não foi fácil realizar o Rock in Rio. Era um sonho que tive que batalhar muito para concretizar. A vida é feita de sonhos e os sonhos precisam ser realizados. Bati de porta em porta e venci inúmeras barreiras para trazer para o público algo diferente, algo que mudasse a história da música do país. Mas o evento foi além e mudou também a história das pessoas. Mais de um milhão de pessoas presentes no evento, naquela ocasião, têm histórias para contar e celebram o Rock in Rio até hoje em suas vidas. Me emociona ouvir o que cada um me conta. Percebo que o festival passa de geração para geração e isso é muito impactante", contou Roberto Medina, criador do evento, nas comemorações dos 30 anos.

A primeira edição contou com 10 dias de música na Cidade do Rock, que ocupou uma área de 250 mil metros quadrados, no Rio de Janeiro. Pelo palco – o maior do mundo na altura, com 80 metros de boca de cena – passaram 15 artistas brasileiros e 16 internacionais. O evento recebeu 1.380.000 pessoas naquele que viria a ser o maior festival de música e entretenimento do mundo - e na primeira vez que um país da América do Sul foi sede um evento musical desta proporção.

A estrutura de som e luz contou com um sistema moderno para a época. Um dos símbolos do Rock in Rio, aliás, é que foi ali que uma plateia foi iluminada pela primeira vez na história dos concertos em grande escala.

Esta primeira edição do Rock in Rio contou com nomes como Queen, AC/DC, James Taylor, George Benson, Rod Stewart, Yes, Ozzy Osbourne e Iron Maiden, além dos brasileiros Gilberto Gil, Ney Matogrosso, Rita Lee, Elba Ramalho, Paralamas do Sucesso, Blitz, Kid Abelha e Barão Vermelho. Este era o tom do festival, que permanece até hoje, em todos os países onde é realizado: um evento para toda a família que reúne vários estilos.

Para Roberta Medina, vice-presidente do Rock in Rio, o evento marca a história do Brasil. "No Brasil, o Rock in Rio é um facto histórico porque inaugurou o mercado do entretenimento e do showbiz internacional. O evento mudou o mercado completamente. Mas não só por isso. O Rock in Rio aconteceu num momento em que o país estava a sair da ditadura militar e, então, tornou-se numa bandeira de uma geração. Muitas das pessoas que vieram a esta edição, estiveram na primeira, trouxeram os filhos e agora os netos. Então, o Rock in Rio atravessa geração. Quando fomos para Portugal, nos primeiros anos, chamavam-nos de traidores porque o Rock in Rio não estava a acontecer no Brasil. Estavam muito irritados. Há um sentimento de propriedade. O Rock in Rio é deles, não é nosso", frisou Roberta Medina em entrevista ao SAPO Mag no final da edição de 2017 do Rock in Rio Brasil.

A estreia em Portugal

O Rock in Rio atravessou o Atlântico e aterrou pela primeira vez em Lisboa em 2004. Durante seis dias passaram 77 artistas e mais de 385 mil pessoas pela Cidade do Rock no Parque da Bela Vista. Britney Spears, Foo Fighters, Incubus e Sting foram alguns dos cabeças de cartaz da primeira edição do Rock in Rio em Lisboa.

Veja no vídeo um excerto do concerto de Paul McCartney no Rock in Rio Lisboa:

Paul McCartney foi o responsável por abrir o Palco Mundo. Em jeito de antestreia do maior evento de música e entretenimento, a organização criou um dia extra no cartaz para receber o ex-Beatle. O concerto, incluído na digressão "04 Summer Tour", foi o primeiro do cantor em Portugal. No segundo dia, Peter Gabriel, Ben Harper, Jet, Rui Veloso e Gilberto Gil foram os protagonistas do Palco Mundo.

 Os Foo Fighters também atuaram na primeira edição do Rock in Rio Lisboa. A banda subiu ao Palco Mundo no dia 30 de maio, na mesma noite que Evanescence, Kings of Leon e Charlie Brown Jr..

A partir de 2004, o Rock in Rio realizou-se de dois em dois anos no Parque da Bela Vista, em Lisboa. "Acho que estou a mudar para uma nova memória. Historicamente, a primeira memória que tenho quando penso no Rock in Rio Lisboa é o susto ao olhar pela primeira vez para o Parque da Bela Vista - só tinha feito um Rock in Rio antes e era num local plano. De repente, chegar a este terreno foi um bocado assustador. Foi um bom desafio", recorda Roberta Medina.

"Mas agora estou com a memória mais fresca e a primeira memória é aquele momento na Torre de Belém, na celebração dos 15 anos. Acho que foi mostrou muito o espírito do Rock in Rio, foi um espetáculo com tanto talento, tanto da parte do video mapping, como da música, do maestro - uma orquestra de música clássica com um alinhamento moderno, músicos muito jovens -, como da construção do palco, da iluminação ou a gestão do público", recorda em conversa com o SAPO Mag. "Encheu o nosso coração fazer aquele momento", acrescenta.

Quem já atuou no Rock in Rio Lisboa?

Em 16 anos de Rock in Rio em Portugal, dezenas de artistas já pisaram o Palco Mundo da Cidade do Rock. Aproveite para recordar algumas das estrelas que já animaram multidões no Parque da Bela Vista.

2004: Paul McCartney, Peter Gabriel, Foo Fighters, Evanescence, Kings of Leon, Metallica, Incubus, Slipknot, Britney Spears, Black Eyed Peas, Sting e Alicia Keys foram alguns dos artistas que atuaram na primeira edição do festival em Lisboa.

2006: Dois anos depois, o Rock in Rio Lisboa regressou ao Parque da Bela Vista e recebeu no Palco Mundo, por exemplo, Anastacia, Guns N' Roses, Jamiroquai, Kasabian, Red Hot Chili Peppers, Roger Waters, Santana, Shakira, Sting, D’ZRT, Da Weasel e os GNR.

2008: O ano de 2008 foi marcado por concertos de Amy Winehouse, James Morrison, Lenny Kravitz, Bon Jovi, Alanis Morissette, Moonspell, Rod Stewart, Joss Stone, Tokio Hotel, Metallica, Linkin Park, Kaiser Chiefs e The Offspring.

2010: Shakira, John Mayer, Elton John, Leona Lewis, Muse, Snow Patrol, Trovante, Miley Cyrus, Rammstein, Calvin Harris, Major Lazer e Jamie XX foram alguns dos artistas que conquistaram o público na terceira edição do Rock in Rio Lisboa.

2012: Na quarta edição do festival, Metallica, Evanescence, Smashing Pumpkins, Maroon 5, Linkin Park, Limp Bizkit, Stevie Wonder, Joss Stone, Bryan Adams,Bruce Springsteen, Expensive Soul, The Gift, James e Kaiser Chiefs foram alguns dos artistas que passaram pela Bela Vista.

Um teste aos fãs de Robbie Williams: Será que sabem tudo sobre ele?

2014: Robbie Williams, Paloma Faith, Boss AC e Aurea, The Rolling Stones, Rui Veloso, Queens of the Stone Age, Linkin Park, Lorde, Ed Sheeran, Arcade Fire, Justin Timberlake, Jessie J e Mac Miller garantiram alguns dos concertos mais celebrados da Cidade do Rock de Lisboa, em 2014.

2016: Há quatro anos, em 2016, Bruce Springsteen, Mika, D.A.M.A, Fergie, Queen + Adam Lambert, Hollywood Vampire, Korn, Maroon 5, Avicii e Charlie Puth passaram pelo Palco Mundo do Rock in Rio Lisboa.

2018: Muse, Bastille, Bruno Mars, Demi Lovato, Anitta, Agir, Diogo Piçarra, The Killers, James, Katy Perry, Jessie J e Hailee Steinfeld foram alguns dos artistas que aturam na última edição do festival, em 2018.

Em todas as edições do Rock in Rio Lisboa, os Xutos & Ponatpés e Ivete Sangalo animaram o público no Parque da Bela Vista. A artista brasileira soma até mais atuações do que edições do festival - devido ao cancelamento de Ariana Grande em 2016, Ivete Sangalo atuou em duas noites diferentes na Cidade do Rock.

"EU FAÇO" NA PRIMEIRA PESSOA: O OUTRO LADO DO ROCK IN RIO

"Eu faço", lê-se na acreditação da equipa que organiza o Rock in Rio. Durante a azafama dos dias de evento, o SAPO Mag falou com algumas das pessoas que tentam garantir sempre a melhor experiência ao público.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.