Na sua conta no Instagram, Bryan Adams comentou a possível origem do novo coronavírus, atribuindo a culpa China. Na publicação, o cantor canadiano começou por recordar que deveria ter arrancando uma série de concertos no Royal Albert Hall, uma das mais importantes salas do Reino Unido.

No post, o artista culpa os mercados de Wuhan, na China, pela pandemia. "Devia estar a começar uma residência no Royal Albert Hall, mas graças a uns filhos da mãe que comem morcegos, vendem carne fresca e fazem vírus, o mundo está todo parado. Já para não falar dos milhares de pessoas que sofreram ou morreram com o vírus", escreveu nas redes sociais. "Além de lhes agradecer, só tenho uma mensagem para eles: sejam vegans", rematou Bryan Adams.

O comentário do cantor recebeu várias críticas.  "As pessoas tendem a olhar para as figuras públicas. Ele é visto como um ídolo por muitos. Isto legitima um ódio racista contra chineses… é tão irresponsável e é tão, tão, tão, tão racista", sublinhou Amy Go, a presidente da associação Chinese Canadian National Council for Social Justic.

Depois de centenas de críticas, o músico pediu desculpa, publicando um novo post na sua conta no Instagram. "Peço desculpa a todos os que se sentiram ofendidos com aquilo que publiquei ontem. Não tem desculpa, mas a única coisa que queria era indignar-me contra a crueldade animal horrível que se vê nestes mercados selvagens que podem ser uma fonte possível do vírus — e promover o veganismo. Amo todas as pessoas e os meus pensamentos estão com todos os que lidam com esta pandemia por todo o mundo", escreveu.

Veja o vídeo:

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.