Na chegada ao evento, ainda no tapete vermelho, a cantora chilena Mon Laferte exibiu os seios onde estava escrita a mensagem: "No Chile, torturam, violam e matam", enquanto usava no pescoço um lenço verde, símbolo da luta pela legalização do aborto.

Nomeda na categoria de Canção do Ano por "Amarrame", gravada em parceria com o colombiano Juanes, a intérprete também falou com a imprensa sobre os protestos sociais no país que em três semanas contou 22 mortos em confrontos com as forças de segurança

O seu conterrâneo Cami, que concorreu na categoria Melhor Artista Revelação, fez questão de destacar as manifestações no Chile.

"O que está a acontecer é muito triste, mas a forma como nos manifestamos e como as pessoas acordaram é incrível", disse a jovem na cerimónia realizada na véspera para homenagear Juanes como Personalidade do Ano.

O porto-riquenho Residente, vencedor na categoria de Melhor Videoclip com "Banana Papaya", dedicou o seu prémio a "todas pessoas que estão a manifestar-se na América Latina".

"Não podemos permitir que os governos continuem a fazer de nós idiotas", afirmou.

O nicaraguense Luis Enrique, vencedor na categoria Melhor Álbum Folclórico, com "Tiempo al tiempo", destacou a situação de seu país e da Venezuela.

A Venezuela "continua a lutar pela sua liberdade", enquanto a "Nicarágua segue em guerra, apesar de quererem retratá-la de outra forma", declarou.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.