“Zeca” trata-se de um projeto no qual o músico "pensava há muito", como afirmou em entrevista à Lusa.

"O Zeca foi sempre uma referência para mim", disse o músico, que contava "cerca de 16 anos" quando José Afonso morreu.

A decisão em gravar o álbum foi incentivada pelo músico Fausto, que tocou com José Afonso e que lhe terá afirmado que "José Afonso iria gostar muito", contou Jóia.

Sobre o disco, Fausto, na contracapa, afirma-se "deslumbrado", referindo que José Afonso certamente iria "gostar de gravar um álbum acompanhado por Pedro Jóia".

Pedro Jóia disse à Lusa que o "principal desafio foi manter a verdade da música do Zeca, mantendo a sua simplicidade, sem artifícios e não a ornamentar demasiado, guitarristicamente".

A viúva de José Afonso, Zélia, "foi acompanhando o trabalho e uma das primeiras pessoas a ouvir o resultado".

"Incentivou-me e apoiou-me muito, o que para mim foi importante", disse Pedro Jóia.

O álbum, editado pela Sony Music, conta dez temas "emblemáticos" da carreira de José Afonso, disse Pedro Jóia, que realçou a faceta de "cidadão empenhado" do autor de "Índios da Meia Praia".

"Desde o tempo das baladas de Coimbra às últimas gravações do Zeca, com produção do José Mário Branco, O CD tem um certo percurso histórico", afirmou.

"A Formiga no Carreiro", "A Morte Saiu à Rua", "Venham Mais Cinco" ou "Balada de Outono" são alguns dos temas escolhidos por Pedro Jóia, que reconheceu "haver algo de novo nos temas gravados, respeitando a sua estrutura e sem lhes ter alterado nada".

"A música de Zeca Afonso exige que seja tratada com pinças", declarou, referindo a importância do músico para a sua geração.

Pedro Jóia, na guitarra clássica, gravou os temas apenas acompanhado por José Salgueiro, na percussão.

O trabalho levou Jóia a conversar com algumas pessoas que conviveram com José Afonso, além da sua mulher e de Fausto, "a ponto de quase achar que o [conheceu]", disse.

Pedro Jóia, que completa no próximo dia 30 50 anos, começou a tocar guitarra aos 7 anos com Paulo Valente Pereira, na Academia dos Amadores de Música, em Lisboa, estudando posteriormente com Manuel Morais, e, mais tarde, guitarra flamenca com Paco Peña, Gerardo Nuñez e Manolo Sanlúcar.

Entre 1997 e 2003 lecionou na Universidade de Évora, tendo seguido para o Brasil, onde trabalhou, entre outros, com Ney Matogrosso e Gilberto Gil.

Recentemente, além do Quarteto Arabesco com quem colabora e do seu próprio trio, formado com Norton Daiello e João Frade, tem tocado com Raquel Tavares, Ricardo Ribeiro e Mariza, entre outros.

"Zeca" é o seu sétimo disco. Em 2008, o álbum "À Espera de Armandinho" valeu-lhe o Prémio Carlos Paredes do município de Vila Franca de Xira.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.