O ensaísta e memorialista deixa um legado de mais de 40 livros, entre poesia, ensaio, história, literatura infantojuvenil, memória, antologia, versão e adaptação, recorda a Academia Brasileira de Letras (ABL) num comunicado no sítio na Internet.

Declarando-se “de luto” na mensagem, a Academia refere que o historiador brasileiro faleceu “em casa, de causas naturais”.

Diplomata, foi embaixador do Brasil na capital portuguesa de 1989 a 1992, seguindo para Bogotá, na Colômbia, depois de ter ocupado cargos de representação em diferentes capitais, como Caracas, Roma ou Washington.

Eleito para a ABL em 2000, ocupou a cadeira número nove, e presidiu à instituição no biénio 2002-2003, tendo ocupado os cargos de secretário-geral em 2001, primeiro-secretário em 2008 e 2009, diretor das Bibliotecas de 2010 a 2015, e foi também sócio correspondente da Academia das Ciências de Lisboa e da Academia Portuguesa da História.

Alberto Vasconcellos da Costa e Silva nasceu em São Paulo, em 12 de maio de 1931, fez os estudos primários e iniciou o curso secundário em Fortaleza, e em 1943 mudou-se para o Rio de Janeiro, diplomando-se pelo Instituto Rio Branco em 1957.

Em 2014, no Rio de Janeiro, quando recebeu o Prémio Camões, na altura com 83 anos, declarou na cerimónia de entrega do galardão que tinha uma grande paixão por África, agradecendo ao júri, que o escolheu por unanimidade: "Embora convicto da injustiça dos prémios, recebo-o com alegria e um grande abraço", afirmou.

O diplomata aposentado e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), apesar dos dez livros de poemas publicados ao longo da vida, preferiu dar maior ênfase à sua trajetória como historiador e, sobretudo, como estudioso do continente africano.

O presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, lamentou hoje a morte do escritor e diplomata na rede social X, com uma mensagem de gratidão: "Obrigado pela obra que nos deixa, em particular esse fantástico "Um Rio Chamado Atlântico".

Esta obra, publicada em 2003, destaca-se entre outros livros sobre África, designadamente "A enxada e a lança" (1992), "A manilha e o libambo" (2002) e "Francisco Félix de Souza, mercador de escravos" (2004), assim como "Um passeio pela África" e "A África explicada aos meus filhos", que escreveu para os mais novos.

Além de "Poemas reunidos" (2000), publicou dois volumes de memórias, "Espelho do Príncipe" (1994) e "Invenção do desenho" (2007).

Organizou as coletâneas "Poemas de amor de Luís Vaz de Camões" (1998) e "Antologia da poesia portuguesa contemporânea", com o ensaísta Alexei Bueno, em 1999, e com a investigadora Lilia Moritz Schwarcz, dirigiu a edição das obras completas de Jorge Amado, para a Companhia das Letras.

Foi agraciado por Portugal, nomeadamente com as grã-cruzes das Ordens do Infante, Militar de Sant’Iago da Espada e Militar de Cristo.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.