Num comunicado hoje divulgado pelo Ministério da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes “felicita vivamente o escritor António Lobo Antunes pela integração da sua obra na prestigiada coleção francesa Pléiade, e considera que este é um justo e merecido reconhecimento a um dos maiores escritores portugueses de todos os tempos”.

A Pléiade é uma coleção francesa, fundada em 1931 e que agora pertence à editora Gallimard, considerada de luxo e restrita e da qual faziam parte, até agora, apenas três autores vivos - Mário Vargas Llosa, Milan Kundera e Philippe Jaccottet – e um único português, Fernando Pessoa.

Para o ministro, “este é um momento ímpar e particularmente feliz para a literatura portuguesa”.

“A distinção internacional agora atribuída a Lobo Antunes é expressão maior da grandeza e do significado da sua vasta obra literária, da qual estamos profundamente orgulhosos”, lê-se no comunicado.

Para António Lobo Antunes, integrar o catálogo da Pléiade era o seu “maior sonho desde a adolescência, porque é o maior reconhecimento que um escritor pode ter”, como disse o próprio na quarta-feira, em declarações à agência Lusa.

“Dedico aos meus amigos, aos meus leitores e ao meu ‘irmão’ José Cardoso Pires, porque sei a felicidade que ele está a sentir neste momento”, acrescentou o autor.

De acordo com a tutela, o ministro da Cultura “já teve oportunidade de felicitar pessoalmente o escritor”.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.