Editado pela Lovers & Lollypops, o disco é acompanhado por uma serigrafia, da Oficina Arara, na qual estará publicado um código para descarregar o disco, cuja apresentação ao vivo está marcada para o mesmo dia 27, no Teatro Municipal Rivoli, no Porto.

Gravado numa residência artística em Alpendurada, "Vox Fauna, Vox Flora" nasce de um concerto-performance que Ece Canli vinha a desenvolver, e é o primeiro registo a solo da cantora, que faz parte de um duo com a harpista Angélica Salvi, da banda Live Low e do trio Cobra'Coral.

Ao longo de oito canções, a artista e investigadora combina a voz, através do uso de técnicas vocais distendidas, com sintetizadores e outros sons digitais.

Em entrevista à Lusa, Ece Canli explica que sempre teve vontade de criar a solo e, aqui, vinha a trabalhar "improvisações" e a adicionar e mudar elementos na 'performance' que tinha criado, antes do convite da Lovers & Lollypops.

"Nunca repito as canções da mesma forma, e um álbum é totalmente diferente de uma 'performance', especialmente agora, com tudo online, digital. É tudo mais inerte", explica.

O "álbum conceito" segue uma narrativa que se relaciona "muito com a natureza humana e animal", além da história pessoal, através da incorporação de elementos de 'tengriismo', uma religião antiga da Ásia central que se liga a vários movimentos atuais na região turco-mongol.

Baseada no animismo e no 'shamanismo', é daqui que parte para questionar "o antropoceno e a natureza", permitindo "dar voz, ou falar com, outros mundos, e elementos como a terra ou a água".

"Como sou artista visual e designer, trabalho muito também com o lado visual enquanto componho. Penso visualmente as canções, e esta narrativa, com oito temas, é uma viagem, e cada faixa um momento. Vejo o álbum como um filme", descreve.

Queria usar "só a voz" no disco, mas acabou por ter "necessidade de trazer outros sons", utilizando sintetizadores e pedais e mesmo uma ocarina, um instrumento de sopro, ancestral, de formato oval.

Apesar do registo de estúdio a satisfazer, concede que "é importante manter" as apresentações ao vivo. "Porque uso muito o corpo no palco, é muito importante. Talvez faça mais apresentações para grupos pequenos e não um concerto grande", aponta.

Formada em design pela Universidade do Porto e em estudos interdisciplinares pela Universidade de Konstfack, na Suécia, Ece Canli trabalha, além da atividade como música e 'performer', como investigadora no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, e fundou o coletivo Decolonising Desin ('Descolonizar o design', em tradução livre).

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.