O canadiano de 27 anos, deverá atuar em Gidá no domingo para milhares de pessoas durante o primeiro Grande Prémio de Fórmula 1 da Arábia Saudita, ao lado do DJ francês David Guetta e do cantor norte-americano Jason Derulo.

Apesar de a Arábia Saudita tentar mudar a sua imagem de país ultraconservador, as organizações internacionais continuam a criticar as prisões de opositores, as leis contra a comunidade LGTBQ+ e as execuções no país.

Hatice Cengiz, a viúva do jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado no consulado do seu país em Istambul em 2018, lidera um movimento que pede que Bieber cancele o seu concerto.

“É uma ocasião única para dizer com força a todo o mundo que o seu nome e o seu talento não serão usados para reconstruir o prestígio de um regime que mata os seus opositores”, escreveu Cengiz numa coluna publicada no Washington Post.

As críticas contra Bieber foram vistas tanto nas redes sociais, onde a hashtag #WTFJustin foi amplamente utilizada, como nos céus de Los Angeles, após um avião sobrevoar a gala dos American Music Awards no mês passado com a mensagem: "Porque é que Bieber canta para assassinos sauditas?"

O artista canadiano evitou fazer qualquer comentário.

Como outros países, o reino saudita quer usar o desporto como elemento de influência para melhorar a sua imagem internacional. O reino usa os lucros da exploração de hidrocarbonetos para atrair grandes eventos esportivos e estrelas, segundo James Dorsey, um especialista em Oriente Médio da Universidade de Singapura.

Para o presidente da Federação Saudita de Automobilismo, o príncipe Khalid ben Sultan al Faysal, “não é um cantor que vai [melhorar] a imagem do reino, mas sim os seus líderes e o seu povo”.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.