Sacha Baron Cohen está de regresso à televisão, após 10 anos de intervalo, com a nova série "Who Is América?", uma comédia no seu estilo satírico, com estreia em Portugal em exclusivo no TVSéries, domingo, dia 22 de julho, às 21h30.

"Reconhecido por alguns dos momentos mais icónicos e polémicos da televisão e do cinema e pelas suas personagens provocadoras e incendiárias, Baron Cohen está de volta com a realização e argumento desta nova série, onde vai explorar diversas personalidades, das mais infames às mais desconhecidas, do singular espectro político e cultural norte-americano", explica o canal em comunicado.

Nos Estados Unidos, o primeiro dos sete episódios previstos de "Who Is America?" foi transmitido este domingo, dia 15 de julho, pelo canal a cabo norte-americano Showtime.

Conhecido pela sua galeria de personagens, que vão do atrapalhado cazaque Borat ao apresentador de TV rapper Ali G, passando pelo homossexual austríaco Brüno, Sacha Baron Cohen construiu a sua carreira surpreendendo com partidas a anónimos e a celebridades.

Criando situações que muitas vezes tocam no absurdo, o ator evoca as falhas da nossa sociedade e denuncia os excessos. Baron regressa a esse princípio no seu novo programa, que já provocou um escândalo mesmo antes da primeira transmissão.

A ex-candidata republicana à vice-presidente dos Estados Unidos, Sarah Palin, vítima de uma farsa do comediante, denunciou os seus métodos e o seu humor "perverso". A norte-americana explicou que foi convidada a ir Washington para conversar com um veterano de guerra em cadeira de rodas, que, na verdade, era Sacha Baron Cohen.

A ex-governadora do Alasca repreendeu o produtor e guionista por ter, nesta ocasião, "gozado com aqueles que lutaram e serviram o nosso país".

A sequência não foi transmitida no primeiro episódio de "Who Is America?", onde o comediante aborda o ex-candidato às primárias democratas Bernie Sanders. O senador socialista responde, pacientemente, às perguntas de um homem que supostamente sofre de doenças crónicas e sai ileso da entrevista.

O golpe de brilhantismo desta primeira exibição acontece no final do programa, quando Sacha Baron Cohen, sob o disfarce de um falso especialista em contraterrorismo israelense, Erran Morad, consegue fazer com que dois legisladores republicanos da Câmara dos Deputados escrevam uma mensagem a apoiar o seu falso programa de treino de uso de armas para crianças em idade escolar.

"Os nossos pais fundadores não definiram um limite de idade para a Segunda Emenda" à Constituição dos Estados Unidos, que permite a posse de uma arma, explica o republicano Joe Wilson, argumentando que "uma criança de três anos de idade deve ser capaz de se defender sozinha, se necessário".

O programa foi amplamente aclamado pela crítica, bem como por vários apresentadores e comediantes.

Judd Apatow, realizador de filmes como "Virgem aos 40 anos", achou o programa "incrivelmente engraçado", segundo uma mensagem partilhada no Twitter. Já o realizador de "Foge", Jordan Peele, considerou o novo formato de Sacha Baron Cohen uma obra "essencial".

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.