O trágico massacre de Aurora, no Colorado, a 20 de julho de 2012, em que um jovem assassinou a tiro vários espetadores de um cinema, foi o pior que podia acontecer ao filme «Força Anti-Crime», já que esta fita de gangsters tinha uma sequência em que um grupo de malfeitores disparava sobre a audiência no mítico Grauman Chinese Theatre. Resultado: a cena foi eliminada e substituída por outra rodada mais tarde, o trailer foi retirado e alterado uma vez que essa cena tinha lá um papel preponderante, e a estreia, agendada para 7 de setembro, foi adiada para 11 de janeiro nos EUA.

Este não foi o único caso em que uma grande tragédia da vida real provocou alterações a um filme. Quando tal sucede, há geralmente duas ordens da razões: ou a estrela da fita morre a meio da rodagem, como em «O Corvo», o que obriga a repensar tudo quando não a cancelar o próprio projeto de imediato, ou há um drama real que se assemelha ao próprio filme, e do qual os estúdios se querem distanciar, que foi o que sucedeu não só em «Força Anti-Crime» como em várias obras em produção durante os ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001.