«Depois das últimas obras, o jardim praticamente morreu. As pessoas deixaram de lá ir, é um mero ponto de passagem e queremos alterar isso, queremos que volte a ser um espaço de convívio», disse hoje à agência Lusa o vereador António Tavares.

Situado na zona ribeirinha, entre o tribunal judicial e o mercado, o Jardim Municipal faz «fronteira» entre a baixa da cidade e a zona turística do chamado Bairro Novo, onde se situam hotéis, bares, restaurantes e o Casino.

Depois da abertura de uma biblioteca infantil e de um bar e esplanada, «que também disponibiliza jornais», a aposta no mês de agosto – todas as quartas feiras, às 22:00 – vai para o Cine Jardim, cinco sessões de cinema onde serão exibidas comédias clássicas portuguesas.

O ciclo abre na quarta-feira com o filme
«A Canção de Lisboa», de
José Cottinelli Telmo, de 1933.

A coletiva de artistas plásticos Magenta é outras das apostas de animação do espaço: «Qualquer pessoa pode pintar um quadro ou escrever um texto ou poema num livro gigante», disse o autarca.

«Queremos que as pessoas usufruam do jardim, que lá vão e lá passem tempos de qualidade», acrescentou.

@Lusa

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.