A Comcast formalizou esta quarta-feira a proposta de 65 mil milhões de dólares [56,11 mil milhões de euros] por ativos-chave de cinema e televisão da 21st Century Fox, de Rupert Murdoch, cobrindo uma oferta da Walt Disney Co. de 52,4 mil milhões de dólares [44,3 mil milhões de euros] feita em dezembro.

A concretização do negócio, pela Comcast ou a Disney, poderá criar uma gigante dominante dos média e entretenimento.

A ação da Comcast, que também é dona da NBCUniversal, inaugura uma nova ronda no processo de venda de alguns ativos do império de Murdoch, que manterá outros na chamada "New Fox", nomeadamente o canal nacional Fox e as suas 28 estações, além dos canais por cabo Fox Sports e o controverso Fox News, e jornais de influência como o Wall Street Journal, New York Post, Times of London e vários títulos na Austrália.

À venda está o estúdio de cinema 20th Century Fox, o terceiro maior de Hollywood, o estúdio que produz as séries de TV, o vasto catálogo de títulos de ambos, os canais por cabo como o FX e National Geographic, mais de 300 canais internacionais e 22 canais Fox Sports regionais, 30% do serviço de streaming Hulu, 50% do grupo Endemol Shine, bem como outros segmentos.

Acordo fechado: Disney aumenta império e compra estúdio rival 20th Century Fox
Acordo fechado: Disney aumenta império e compra estúdio rival 20th Century Fox
Ver artigo

"A nossa proposta representa um prémio de cerca de 19% sobre o valor da Disney. Estamos muito confiantes da nossa capacidade para financiar a transação e a nossa oferta inclui condições não-relacionadas com dinheiro", disse a Comcast em carta a Rupert Murdoch e os seus filhos Lachlan e James.

Já esta terça-feira, a Justiça americana tinha autorizado a aquisição da Time Warner pela AT&T, a maior operadora de TV por cabo dos EUA e a segunda em rede móvel. Estas movimentações podem criar novas configurações na indústria da comunicação e entretanimento.

A permissão colocou fim a uma dura batalha com o Departamento de Justiça dos EUA, que queria bloquear o acordo com o argumento de que prejudica a concorrência. Isto sugere que a Comcast conseguiria superar barreiras regulatórias num acordo com a Fox.

O interesse principal para o gigantesco negócio é a escala crescente em redor dos conteúdos e distribuição e qualquer que seja a decisão final, o resultado será sempre uma megafusão que vai abanar o mundo do entretenimento e dos media: a Comcast tem por exemplo o estúdio de cinema Universal e respectivos parques temáticos, o estúdio de animação DreamWorks, os canais nacionais NBC e Telemundo, e muitos canais por cabo (nomeadamente MSNBC, CNBC, USA Network e E!).

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.