O festival, que apostou em «filmes fora do formato», está a celebrar dez anos e apresentará de 18 a 28 de abril quase 250 filmes, estrangeiros e portugueses. Em dez anos «nunca nos afastámos da nossa ideia de cinema independente, de tentar mostrar que estes filmes são aquilo que achamos mais importante. O slogan diz «Hollywood está a ficar sem ideias» e é o oposto do cinema independente», disse à agência Lusa um dos diretores do IndieLisboa, Miguel Valverde.

A organização recebeu quase quatro mil filmes de todo o mundo, selecionando 246, dos quais 45 são portugueses de produção recente. Segundo o diretor Nuno Sena, estes dados mostram que «o anúncio da morte do cinema português [por falta de apoio financeiro público] foi exagerado».

Na conferência de imprensa, a direção sublinhou ainda o espírito de «otimismo», apesar dos tempos difíceis e da redução de orçamento, considerando a décima edição a melhor de todas.

Pela primeira vez, a competição nacional inclui 16 curtas e seis longas metragens «com uma base documental e que dialogam muito com o mundo contemporâneo», descreveu Nuno Sena. São elas «A Batalha de Tabatô», de João Viana, «Bobô», de Inês Oliveira, «Campo de Flamingos sem Flamingos», de André Príncipe, «É o Amor», de João Canijo, «Lacrau», de João Vladimiro, e «Um Fim do Mundo», de Pedro Pinho. Os filmes de João Vladimiro e João Viana também integram a competição internacional.

Da produção portuguesa, os diretores destacaram ainda a animação de volumes «Forbidden Room», de Emanuel Nevado, a nova secção Novíssimos, com 13 primeiras obras, e três filmes que não encaixam em qualquer secção: «Arriverci Macau», de Rosa Coutinho Cabral, sobre o arquiteto Manuel Vicente, «Bibliografia», de Miguel e João Manso, «Montemor», de Ignasi Duarte, e «Torres & Cometas», de Gonçalo Tocha.

Da produção internacional destacam-se a série documental «Death Row», de Werner Herzog, sobre condenados à pena de morte nos Estados Unidos, «Frances Ha», de Noah Baumbach, «The Black Balloon» (na imagem), de Benny e Josh Safdie, «Sinapupunan», de Brillante Mendoza, «Sakda», do premiado Apichatpong Weerasethakul, e «Spring Breakers», de Harmony Korine.

Destaque ainda para o realizador austríaco Ulrich Seidl, com a trilogia «Paradies», e para o artista visual irlandês Patrick Jolley.

Mantêm-se as secções IndieJúnior, para os mais novos, e o IndieMusic, com propostas em torno da música, e aposta-se nos eventos fora do ecrã, com concertos no Ritz Clube, com atuação da canadiana Peaches e um concerto especial, a 19 de abril, do músico Manuel Fúria em torno do álbum «Mãe», dos Heróis do Mar.

Em dez anos, a direção do IndieLisboa considera que conseguiu manter intacto - «por teimosia ou coerência» - o espírito em torno do cinema independente, conquistando público português.

«O nosso processo foi construir esse público e acreditamos que esse público ainda não é o que gostaríamos. Acreditamos que há mais público que ainda não teve oportunidade de conhecer estes filmes e estes cineastas», disse Miguel Valverde.

O IndieLisboa decorrerá na Culturgest, cinema São Jorge, Cinema City Alvalade e Cinemateca. O filme de abertura será «No», do chileno Pablo Larraín, e o de encerramento «Before Midnight», do norte-americano Richard Linklater.

Toda a programação e preço de bilhetes pode ser consultadam aqui.