Descoberto na Internet aos 13 anos pelo seu atual agente Scooter Braun e pelo cantor Usher, o jovem canadiano tornou-se um fenómeno mundial nos últimos anos. Com forte apoio nas redes sociais, Justin Bieber possui 44 milhões de fãs no Facebook, 23 milhões de seguidores no Twitter e os seus vídeos foram vistos 2,7 bilhões de vezes no YouTube.

De acordo com a revista Forbes, Justin Bieber ganhou 108 milhões de dólares ao longo dos últimos dois anos. Mas o fenómeno, seguido por uma multidão de adolescentes por onde passa, agora precisa de enfrentar a difícil transição para a idade adulta, mantendo os seus fãs, que crescem com ele ao mesmo tempo em que renova o seu público. Um desafio que resultou em fracasso para muitas estrelas adolescentes.

Durante vários meses, o cantor trabalhou para mudar a sua imagem doce. Justin substituiu a famosa franja por um corte ao estilo de James Dean e foi fotografado à saída de um ringue depois de uma (falsa) luta para ser capa de uma revista. «Believe» - um aceno para seus fãs, os «beliebers» - faz parte do mesmo plano de mostrar uma face mais madura.

«É um disco feito para tocar nas festas. Quisemos manter a sua base de fãs, adolescentes de 13-18 anos, mas também atrair aqueles gostam do que ele faz e sabem que ele é um bom artista", disse recentemente à revista americana Billboard um dos produtores do álbum, Rodney Jerkins.

Produzido por DJs reconhecidos - incluindo o reputado Diplo -, o álbum propõe recursos sonoros decididamente mais urbanos do que os anteriores «My World» (2009), «My World 2.0» (2010) e «Under the mistletoe» (2011). Várias músicas têm influência hip-hop, de dança, com um toque de dubstep, o mais recente estilo de música eletrónica.

Para passar um pouco mais de credibilidade, Justin Bieber, que não é um grande rapper, ofereceu duetos com algumas das novas estrelas da música urbana, como os rappers Ludacris, Big Sean e Drake, assim como a cantora do momento, Nicki Minaj.

O conjunto, produzido de acordo com os cânones em voga nos últimos anos, está formatado para invadir os ouvidos ao lado dos mais recentes sucessos de Lady Gaga, Black Eyed Peas e David Guetta.

Justin Bieber não negligenciou o seu público feminino, com muitas baladas e letras que ainda se concentram no amor adolescente, com títulos como «Boyfriend», «As long as you love me» ou «Die in your arms».

Destinado a tornar-se um sucesso mundial, «Believe» beneficia de um mercado minucioso. O cantor deixou os seus fãs escolherem a capa do single «Boyfriend», preview bónus para aqueles que encomendem os primeiros álbuns e viajou pelo mundo para fazer espetáculos privados difundidos na Internet. E não pára por aqui. O lançamento de «Believe será seguido, em setembro, por uma digressão mundial. Para já, apenas as datas americanas foram anunciadas.

@SAPO com AFP

O «videoclip» do tema de estreia, «Boyfriend»:

Nos bastidores com Justin Bieber:

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.