“Before Bach: Benediction”, de Mehldau, abre o disco, que inclui “After Bach”, também composta por Mehldau assim como “Prayer for Healing”.

O pianista e compositor Timo Andres, no 'booklet' que acompanha o álbum, escreve: “Como organista profissional, grande parte do trabalho de Bach tomava a forma de improvisação e, durante sua vida, era a virtuosidade e complexidade dessas improvisações pelas quais ele era mais admirado… Cerca de três séculos depois, Brad Mehldau retoma essa tradição e aplica um aspeto, que infelizmente, nunca conheceremos da arte de Bach”.

“Sempre houve elementos no estilo de Mehldau que lembravam Bach, especialmente s sua voz densamente tecida - mas ele não o pretende imitar", antes "analisa o terreno comum a teclistas, improvisadores e compositores, explicitando os paralelos implícitos”.

Esta não é a primeira vez que o músico e compositor norte-americano se aproxima do território de Bach. Em 2015, compôs “Three Pieces After Bach”, um encomenda de várias instituições britânicas e norte-americanas.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.