Joe Biden num ecrã partilhado com George Clooney; Kamala Harris num jogo online com os super-heróis dos filmes da Marvel.

As angariações virtuais de receitas com estrelas de Hollywood e os líderes democratas resultou num fluxo de doações sem precedentes na Califórnia, o estado mais rico do país, sempre considerado uma fonte de receitas para o partido.

À medida que a disputa pela Casa Branca avança, ambas as campanhas organizam visitas em ritmo acelerado pelos estados-chave, notavelmente ausentes neste estado liberal, onde Biden está à frente de Trump por mais de 30 pontos.

Mas embora os californianos não possam mais influenciar esta etapa da disputa com o seu voto, os democratas dizem que nunca viram um "boom" tão extraordinário na angariação de receitas e no ativismo de celebridades, mesmo quando a pandemia limita os eventos à internet.

Estrelas como os elencos de "Seinfeld", "Happy Days" e "The West Wing" realizaram reuniões online.

Steven Maviglio, um estratega de Sacramento, estima que os dólares de angariação de receitas dos democratas da Califórnia são "quase o dobro do que eram há quatro anos", que já era uma base elevada dado o forte apoio da altura a Hillary Clinton.

Contactos

A Califórnia é o maior contribuinte para os cofres de Biden. Os 150 milhões de dólares que ele arrecadou no estado são um quinto do total da sua comissão de candidatos, segundo o Center for Responsive Politics.

Os registos da Comissão Federal de Eleições mostram as doações da Califórnia para Biden por um total de 130 milhões, um valor um pouco menor, o que reflete a natureza complexa do financiamento de campanhas.

Mas os dois valores superam os 60 milhões de dólares arrecadados por Trump no estado.

Fora de Silicon Valley, "Tinseltown" continua a ser "a base de uma grande quantidade de dinheiro, de pessoas que se preocupam apaixonadamente pela política" e proporciona um poder fundamental, diz Maviglio.

Biden conta com a ajuda de fortes contactos em Hollywood que estabeleceu como senador e vice-presidente. Ele até apareceu no palco da cerimónia dos Óscares em 2016.

O cineasta Steven Spielberg (que forneceu 5,1 milhões de dólares) e o ator e produtor Seth MacFarlane (3,6 milhões de dólares) estão entre os principais doadores individuais democratas deste ano, segundo dados do CRP.

Apesar dos receios iniciais de que a pandemia sufocaria as angariações ao impossibilitar jantares e cocktails, muitos estrategas dizem que os eventos virtuais acabaram por facilitá-los.

As celebridades, livres de horários de rodagem complexos, não precisam mais de estar todas no mesmo lugar ao mesmo tempo. Elas economizam para se vestir e não apertam centenas de mãos. Isso também funciona para os doadores ricos e ocupados.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.