O festival, que decorre de 17 a 20 de junho, mas com iniciativas que precedem e sucedem essas datas, vai realizar-se em Arganil, Condeixa-a-Nova, Lousã, Miranda do Corvo, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande e Tábua, afirmou hoje a coordenadora do FLII - Palavras de Fogo, Ana Filomena Amaral, na sessão de apresentação que realizou-se na sede da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG).

A quarta edição do certame tem como subtema "Literatura, cidadania e liberdade", homenageando os escritores Manuel Alegre, Maria Teresa Horta e Carlos de Oliveira.

"Achamos que este ano é a prova de que vamos poder continuar a existir, porque quem sobrevive dois anos a uma pandemia sobrevive a tudo o resto", salientou Ana Filomena Amaral, referindo que todos os eventos serão presenciais, seguindo as regras sanitárias devido à COVID-19, havendo ainda algumas sessões que terão também transmissão digital.

Este ano, o festival conta com Ricardo Fonseca da Mota, de Tábua, como escritor residente do evento, avançou.

A sessão inaugural do festival vai decorrer em Pedrógão Grande, seguindo-se uma palestra de Paula Mourão, intitulada "Manuel Alegre - Canto, cidadania".

Exposições, apresentação de livros, debates, momentos musicais e leituras em ambiente escolar são algumas das propostas do festival.

Durante a conferência de imprensa, Ana Filomena Amaral notou que, apesar de pedidos de apoio junto do Governo, a Arte-Via Cooperativa (que tem sede na Lousã que promove o festival) não recebeu "qualquer resposta de nenhum organismo estatal".

"Num ano em que tanto querem garantir cultura, não tivemos sequer resposta das entidades estatais", criticou, salientando, no entanto, que o interior "já tem uma aprendizagem muito grande" e que não será a falta dos apoios que faça com que o festival desista.

A vice-presidente da Câmara de Arganil, Paula Dinis, realçou que o seu município abraçou a causa desde o início e que tem feito "um esforço grande" para levar o festival ao seu território, numa iniciativa que procura "chamar as pessoas aos livros e à reflexão".

Também a vice-presidente da Câmara de Condeixa-a-Nova, realçou a importância de aproximar a literatura não apenas junto dos estudantes mas de toda a comunidade no geral.

"Faz todo o sentido trazer o mundo a estas regiões, onde infelizmente, muitas vezes, o acesso a exposições, música e conversas com autores não existe", referiu a coordenadora interconcelhia da Rede de Bibliotecas Escolares, Lucília Santos.

Já a presidente da AVIPG, Dina Duarte, realçou que "nem todas as autarquias têm o sentido de Estado de garantir que a cultura seja acessível aos seus", frisando a importância de promover a cultura em territórios como o de Pedrógão Grande.

O programa do festival está disponível para consulta em www.palavrasdefogo.pt.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.