Até 12 de novembro, este festival multidisciplinar que assinalou em 2022 duas décadas de atividade, apresentará teatro, instalação, performance e cinema, em vários espaços da capital, produzido pela DuplaCena/Horta Seca.

A abertura do segundo momento dá-se com "Temos Apenas o Presente", de Manuela Marques, hoje e sábado, no Centro Cultural de Belém (CCB), onde "duas pessoas perdidas, num espaço etéreo, procuram uma saída, amparando-se mutuamente", trazendo “para o plano da perceção certas dores estigmatizadas e relevadas", segundo a sinopse da peça.

Com direção artística e texto de Manuela Marques, a interpretação é de Ana Marta Ferreira e Filipe Matos, a realização de Rita Nunes e a cenografia de Diogo Dias João.

Entre 19 e 21 de outubro, a performance "Loba", de Mariana Pacheco de Medeiros, mostra-se pela primeira vez em Lisboa, no espaço Appleton, e, nesse fim de semana, apresentam-se também "Vaziopleno", de Mário Afonso, no Centro de Artes de Lisboa, e "Variações sobre o tempo dos jacarandás", de Sofia Dinger e Yaw Tembe, na Casa da Estação, ambas em estreia absoluta.

No dia 21 de outubro, estreia-se em Lisboa, em colaboração com o festival Doclisboa e o Family Film Project, o filme "Andromeda", de Luciana Fina, na Cinemateca Portuguesa, que convoca a expressão artística e cinematográfica inscrita na televisão pública italiana nos anos 1960 e 1970.

Numa época em que "o cinema questionava profundamente a sua relação com o real, e em que surge a resposta experimental da videoarte", a personagem de uma jovem telespetadora, entregue à descoberta e à experimentação do novo 'medium', leva o público através do tempo, esbatendo os limites entre o documento e a ficção.

A 27 e 28 de outubro, Joana de Verona leva a performance-instalação "Kali", quarta estreia absoluta deste segundo momento do certame, à Rua das Gaivotas, 6.

"É uma exploração com base na ideia de repetição e continuidade como se de um sonho se tratasse, e se o tempo suspendesse", descreve a sinopse desta criação de Joana de Verona, que conta com a interpretação de Lucília Raimundo, Mélanie Ferreira e André Teixeira.

No início de novembro, a 02 e 03, "Trans*Performatividade", performance de Aura, estreia-se no espaço Mono Lisboa.

Este segundo e último momento do Temps d’Images encerrará com a estreia absoluta da peça "A Bola de Cristal", de Luísa Fidalgo, no Café Teatro Cinearte (A Barraca), a 11 e 12 desse mês.

Desde a sua primeira edição que o Temps d'Images tem como principal objetivo apoiar a criação contemporânea, promovendo a aproximação entre artistas, programadores e público, e fomentando a circulação e apresentação de trabalhos de relevo, segundo os organizadores do festival, financiado pela Direção-Geral das Artes e pela Câmara Municipal de Lisboa.

Ainda segundo a organização, desde que o certame surgiu, em 2003, apresentou mais de 400 peças, muitas delas inéditas, de autores portugueses e estrangeiros, em diversos formatos e géneros, incluindo a performance, teatro, instalação, cinema, dança, fotografia e música.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.