“A zona do castelo é uma loucura” foi o que ficou a saber recentemente o comandante da PSP de Bragança, Amândio Correia, que desconhecia o jogo e o seu impacto a nível local, até ter questionado os agentes depois do que tem ouvido.

Em termos policiais, “não tem havido problemas”, garantiu o comandante que confessou à Lusa ter ficado curioso e que irá passar pelo castelo para observar o fenómeno.

Surpresa foi também a reação de Luís Portugal, proprietário de um restaurante no largo do Castelo, quando, na terça-feira à noite, um grupo de jovens, na casa dos 20 anos, lhe entrou pelo estabelecimento, todos de telemóvel na mão.

“Diziam que havia aqui um”, contou à Lusa confessando que “não fazia ideia do que se tratava”, pois tinha acabado de regressar de férias do estrangeiro sem ainda ter ouvido falar da febre com o jogo que em 15 dias conquistou o mundo.

“Pensei que havia algum bicho dentro da tasca”, brincou, quando os ouviu “gritar a todos: está aqui, está aqui”.

A filha já descarregou o jogo no telemóvel e o empresário vai “ver o que é isso” para conhecer os bonecos que contagiaram e estão a fazer correr e a sair à rua as gentes de Bragança.

O jogo Pokémon GO foi lançado a 6 de julho a nível mundial e chegou oficialmente a Portugal há uma semana.

Segundo a descrição feita em alguns sítios da Internet da especialidade, o jogo é o replicar da série televisiva dos anos de 1990 na vida real, em que “o objetivo é apanhar pokémons, fazê-los evoluir, treiná-los, descobrir o maior número possível destas criaturas, colecionar o maior número possível, combater com elas e desafiar outros treinadores”.

Pedro Rodrigues descobriu o Pokémon Go num habitual encontro com os amigos no café e faz parte há alguns dias das concentrações, sobretudo de jovens, nos chamados “pokestops” (sítios de interesse).

“No castelo de Bragança há cinco pontos. É uma coisa louca”, afirmou à Lusa este jovem que trabalha na restauração e já chegou a estar até às sete da amanhã “a apanhar bonecos raros”.

Como ele, garante, há muitos, o que alterou as rotinas da própria cidade em poucos dias.

“Há um mês não se via ninguém à noite, agora das dez, onze da noite até às três, quatro da manha, é só gente com concentrações nos locais dos 'pokestops'”, apontou.

Mas o jogo obriga também a andar e há jogadores que fazem dezenas de quilómetros. Um amigo de Pedro “perdeu três quilos em oito dias”.

É por isso que à pergunta: “o que se ganha”, este aficionado responde “saúde” porque a “caça” obriga a andar e tem alguns elementos que impõem percorrer determinadas distâncias”.

Nas caminhadas que faz, Pedro garante que tem, inclusive, descoberto a cidade, prestando, com a ajuda do jogo, atenção a pormenores e elementos que dantes lhe passavam despercebidos.

Os percursos servem-lhe ainda para encontrar e conversar com gente conhecida. Mas é também “engraçado a quantidade de gente e a falarem uns com os outros sem se conhecerem”.

Aponta ainda o baixo custo: “gasta-se algum tráfego no telemóvel, mas também há quem gaste fortunas para andar no monte à caça e outros que dão três mil euros por uma bicicleta para porem no Facebook uma fotografia com os quilómetros que percorrerem”.

Na rede social Facebook, existe um grupo fechado, o “Pokémon Go-Bragança City” que junta já mais de 400 membros que partilham entre si informação.

Conhecem bem os pontos de interesse em locais emblemáticos da cidade como o castelo, a Praça da Sé, politécnico ou Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, entre outros.

E há já que acredite que o novo jogo vai ser uma estratégia para atrair visitantes.

Também na Trofa, distrito do Porto, a caça aos Pokémons tem adeptos e em poucos dias passou de um grupo de aficionados “avulso” para um grupo mais ou menos organizado que marca encontros e troca dicas e experiências.

O “Pokemon GO - 4785 TROFA” foi criado nas redes sociais na última semana e hoje, por volta das 20:00, somana 620 membros, tendo mensagens como “quem me pode dar boleia para S. Gens?”, aquele que é considerado o “santuário” dos “caçadores” de Pokémons da Trofa.

Em declarações à Lusa, Igor Azevedo, de 29 anos, criador do grupo, contou que segunda-feira cerca de 200 pessoas reuniram-se no Monte de S. Gens, Trofa, para “caçar Pokémons e tirar uma foto de família”.

Entretanto na noite de terça-feira mais algumas centenas de pessoas apareceram, nomeadamente de concelhos próximos como Santo Tirso e Valongo.

“É interessante conhecer pessoas, trocar ideias ou mesmo rever colegas de escola que não via há anos. Este é um jogo que está na moda é verdade, mas que pode gerar relações posteriormente, sobretudo nesta época de calor porque as pessoas saem depois de chegar do trabalho. Também vemos pais a passearem com os filhos e a esperarem até que s crianças acabem a caça”, descreveu Igor Azevedo.

Em S. Gens, na Trofa, a caça ao Pokémon só acaba quando a bateria do telemóvel acaba. Há quem fique até às 22:00 à procura de um boneco virtual e quem estenda a caminhada e investigação até à uma ou duas da manhã.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.