O festival, apresentado hoje no Teatro Rivoli, acontece de 27 a 31 de outubro, tendo implicado um investimento nacional na ordem dos 1,7 milhões de euros, onde se inclui o apoio do Ministério da Cultura (200 mil euros), do Turismo de Portugal e da Câmara do Porto (620 mil euros).

"Hoje é um marco histórico. Esta ideia de querer trazer o Womex para Portugal tem mais de 20 anos", afirmou, na conferência de imprensa desta tarde, o diretor geral da AMG Music, António Miguel Guimarães, produtora responsável pela realização do evento em Portugal.

Ao longo de cinco dias, são esperados, entre os mais de 2.500 profissionais envolvidos, mais de 260 artistas vindos de todos os continentes, cerca de 520 editoras e distribuidoras, quatro centenas de instituições governamentais e educacionais, oito centenas de agentes, mais de 610 gestores e 300 produtores, a que se juntarão cerca de 1250 empresas vindas de mais de 50 países.

"Esta gente toda vem aqui para comprar e vender, ou seja, o que aqui vai acontecer em [20]21, vai se refletir-se em [20]22, [20]23 e [20]24 nas salas de todo o mundo. Os artistas que conseguirem ser selecionados (...) vão ter reflexos até uma década. Uma presença no Womex vale ouro para a exportação de qualquer grupo artístico, de qualquer projeto cultural", explicou o diretor Geral da AMG Music.

Para aquele responsável, o Womex será "vital" para a reorganização do mundo da música na era pós-COVID-19, em que tudo se desestruturou, na medida em que vai permitir reativar contactos, projetar o futuro, relançando as carreiras dos artistas.

"Quando nós começámos este processo, o contexto era de expansão, agora vai ser um contexto de recuperação. Para nós, cultura portuguesa, música portuguesa, desse ponto de vista, no meio de tanto azar, tivemos sorte. (...) São oportunidades que acontecem de 30 em 30 anos, e, portanto, temos de aproveitar", afirmou, sublinhando que o evento terá um impacto económico "poderosíssimo" cá dentro.

António Miguel Guimarães explicou ainda que os artistas serão escolhido por um júri conhecido como "Os Sete Samurais" a quem cabe a tarefa de selecionar 60, entre as "milhares de propostas".

Em declarações aos jornalistas, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, que marcou presença na cerimónia de apresentação da edição de 2021 da Womex sublinhou a importância da realização de um evento desta dimensão para o Porto e para o país, ainda mais em contexto de pós-pandemia.

"Há um apoio financeiro e também institucional e o empenho que temos, juntamente com outros parceiros de alargar esta presença de Portugal na Womex, se quiser um compromisso que vá para além de apenas um ano", adiantou a governante.

Graça Fonseca disse ainda estar confinante de que as instituições, caso a evolução da pandemia assim o exija, serão capazes de se adaptar como aliás tem demonstrados ao longo dos últimos dois meses.

Presente na cerimónia de apresentação da Womex Porto, o presidente da autarquia, o independente Rui Moreira, salientou que o desejo de trazer o evento para o Porto é antigo. Em 2014, enquanto autarca, recebeu o representante da Womex. Contudo, à data, as finanças municipais e circunstâncias, em Portugal, não permitiram lançar mão deste "empreendimento".

Desta vez, salientou, foi possível graças apoio do Governo e do Turismo de Portugal.

Aos jornalistas, Rui Moreira disse que o retorno do investimento feito pela autarquia está dependente da evolução da pandemia de covid-19, contudo, se até lá a situação estiver resolvida, é expectável um retorno 15 a 20 vezes o valor investido.

O diretor do Womex, Alexander Walter, revelou que a organização há já algum que estava a tentar trazer o evento para Portugal, pelo que não poderia estar mais satisfeito, sobretudo numa altura em que o setor enfrenta dificuldades por conta da pandemia de COVID-19.

Um dos centros nevrálgico do evento será o Centro de Congressos da Alfândega do Porto, local que acolherá a feira comercial, onde são aguardados cerca de 2.800 delegados para visitarem os 300 stands.

Os 60 concertos showcase programados, em que artistas de todo o mundo se apresentam a agentes, promotores e jornalistas, terão como palcos sete salas diferentes: o Coliseu Porto Ageas, o Rivoli, uma tenda montada na Praça de D. João I, a Casa da Música, o Hard Club, o Cinema Passos Manuel e os teatros São João e Sá da Bandeira.

A programação da edição de 2021 da Womex reserva ainda um ciclo de conferências, com um total de cerca de 80 oradores envolvidos, bem como um ciclo de filmes e documentários, que, ao longo de três dias, vai exibir 16 projeções, incluindo três estreias e uma homenagem especial.

A habitual cerimónia de entrega dos Prémios de Músicas do Mundo decorrerá na Casa da Música, uma das oito salas que vão acolher a edição de 2021 da Womex.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.