Honor Blackman, a famosa "Pussy Galore" de "007 Contra Goldfinger" (1964), morreu aos 94 anos.

A família confirmou a notícia ao The Guardian, salientando que foi de causas naturais esta segunda-feira (6) e não pela COVID-19.

Com direito a um nome inesquecível, Honor Blackman foi a primeira "Bond girl" antagonista a lidar de igual para igual com o agente secreto interpretado por Sean Connery, ainda que, como muitas outras, acabasse por ceder aos seus encantos.

Curiosamente, aos 38 anos e mais cinco do que Sean Connery, continua a ser uma das mais atrizes mais velhas a interpretar uma "Bond girl".

"007 Contra Goldfinger", o terceiro da série, é normalmente considerado como o "007" perfeito, aquele onde todos os elementos se cristalizaram: a sequência de ação antes do genérico, o tema sonante (aqui pela voz de Shirley Bassey), as imagens icónicas (a rapariga morta pintada a ouro), os gadgets inesquecíveis (o Aston Martin artilhado), Bond-girls sedutoras, os vilões "larger than life" (Goldfinger, Oddjob…) e as tiradas lendárias (“Do you expect to talk, Goldfinger?” “No, Mr. Bond. I expect you to die!”).

Honor Blackman conquistou o papel após se tornar uma estrela com outro trabalho que foi praticamente uma "audição" ou um estágio no género, incluindo na aprendizagem de judo: ela incarnou Cathy Gale, a inteligente, enérgica e estilosa parceira de John Steed (Patrick Macnee) na segunda e terceira temporadas da icónica e audaciosa série "The Avengers", entre 1962 e 1964.

O produtor Albert R. Broccoli recordou mais tarde o casting, dizendo que "os britânicos iam adorá-la porque conheciam-na como Mrs. Gale, os americanos iriam gostar dela porque era tão boa, era a combinação perfeita".

The Avengers

Quando teve de abandonar a série por causa do "007 Contra Goldfinger", sucedeu-lhe Diana Rigg como Emma Peel, cujos episódios são os mais recordados.

Ao The Guardian contou que se arrependeu da decisão porque as condições da série estavam a consolidar-se: "Saí na altura errada. Estavam a passar do preto e branco para a cor, estavam mesmo a começar a ter dinheiro a sério".

A série também popularizou uma canção que interpretou com Patrick Macnee, "Kinky Boots", por causa das botas que faziam parte do "look" da personagem, que voltou a entrar nos tops em 1990 por passar sistematicamente num programa na BBC Radio 1.

Apesar de nada do que fez a seguir no cinema, teatro e televisão se comparar ao impacto como Pussy Galore, destacam-se ainda filmes como "Os Argonautas" (1963), "Shalako" (1968) e "A Virgem e o Cigano" (1970) e séries com papéis de mais destaque, nomeadamente em "Doctor Who", "Never the Twain" e principalmente "The Upper Hand".

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.