Paul Walker não ia ao volante no acidente que o vitimou aos 40 anos. O Porsche em que faleceu era conduzido por um amigo, que também não sobreviveu ao violento embate com uma árvore em Valencia, na California, que deixou o veículo em chamas. As vítimas foram declaradas mortas no local e vinham de um evento de solidariedade da Reach Out Worlwide. As autoridades referiram que a velocidade foi um fator decisivo no acidente.

«Todos nós na Universal estamos devastados», sublinhou o estúdio para o qual Paul Walker mais trabalhou, a Universal. «O Paul era verdadeiramente um dos mais amados e respeitados membros da família do nosso estúdio há 14 anos, e a sua perda é devastadora para nós, para todos aqueles envolvidos com os filmes da série «Velocidade Furiosa» e para incontáveis fãs», pode ler-se num comunicado enviado pelo estúdio.

Hollywood reagiu de imediato à notícia, com as estrelas a enviarem mensagens de condolências nas redes sociais. Uma das primeiras foi a de Vin Diesel, que com ele protagonizou a maioria dos filmes da série «Velocidade Furiosa», e que colocou no Instagram a mensagem: «irmão vou sentir muito a tua falta. Estou absolutamente sem palavras. O Céu ganhou um novo anjo. Descansa em paz».

A carreira de Paul Walker começou mal saiu do berço, com trabalhos de modelo com apenas dois anos. Aos 12 estreou-se no pequeno ecrã, com pequenos papéis em séries como «Chefe, Mas Pouco» e «Um Anjo na Terra», e em 1986 chegou ao cinema na comédia de terror «A Monster in the Closet», onde também participava uma muito jovem Stacy Ferguson, que mais tarde seria conhecida como Fergie, dos Black Eyed Peas.

Após muitos anos sem grande sucesso, o primeiro papel protagonista de Walker surgiu em 1998, com a comédia surfista «Meet the Deedles», que lhe possibilitou a participação em filmes com maior visibilidade, como «Pleasantville - Viagem ao Passado» (1998), «Varsity Blues - A Balada dos Campeões» (1999), «Ela é Demais» (1999) e «Sociedade Secreta» (2000).

O sucesso chegou com o êxito surpresa em 2001 de «Velocidade Furiosa», que daria origem a uma série de imenso sucesso, cujo sétimo filme está já em produção e da qual Walker só estaria ausente do terceiro título.

Daí para a frente, Walker protagonizou essencialmente «thrillers» e fitas de ação, o que não impediu de fazer alguns papéis secundários em filmes de prestígio como «Flags of Our Fathers - As Bandeiras dos Nossos Pais», de Clint Eastwood.

Entre os seus maiores sucessos contam-se «Não Brinques com Estranhos» (2001), «Resgate no Tempo» (2003), «Profundo Azul» (2005), «Antárctida - Da Sobrevivência ao Resgate» (2006) e o muito elogiado «Medo de Morte» (2006).

Tinha já terminado o «thriller» «Horas», que estreia em Portugal em janeiro, e tinha em produção a sétima fita da série «Velocidade Furiosa», cujas cenas principais já teriam sido filmadas, não sendo ainda claro se o falecimento do ator irá provocar alterações substanciais ao filme.