A trágica e inesperada morte de [a|http://cinema.sapo.pt/pessoa/paul-walker-i]Paul Walker num acidente de automóvel a 30 de novembro[/a] deixou Hollywood em estado de choque e a produção do filme que entretanto rodava, «Velocidade Furiosa 7», com um problema nas mãos: como terminar o filme sem a presença de um dos protagonistas? E como prosseguir de forma respeitosa à memória do ator?

Todas as fontes parecem indicar que a produção não vai ser cancelada, mas fez-se pelo menos uma pausa para repensar a forma de atuar: a equipa tinha feito um intervalo para celebrar o Dia de Ação de Graças quando Walker faleceu, e deveria regressar ao trabalho em Atlanta no último domingo, mas tudo ficou em suspenso pelo menos até terça-feira. Um larga parcela do filme parecia ja ter sido rodada embora ainda estivessem agendadas cenas adicionais em Abu Dhabi em janeiro.

O filme tinha estreia agendada para 11 de julho de 2014, o que significa que quaisquer adiamentos ou alterações no plano de rodagem se poderão refletir num adiamento da chegada do filme às salas. A promoção do filme também terá de ser repensada, tendo em conta que Walker faleceu num acidente com um Porsche, um veículo potente equivalente aos que ele conduzia nesta série sobre automóveis e velocidade. Já foi entretanto apurado que o condutor do carro, também falecido no acidente, era Roger Rodas, um consultor financeiro que partilhava com Walker a paixão por automóveis velozes.

Além de Velocidade Furiosa 7», Walker tinha já terminado dois outros filmes: «Horas», que deverá estrear nos EUA em dezembro e em Portugal logo no início de janeiro, e o «thriller» «Brick Mansions», atualmente em pós-produção.