Dois meses depois de ter passado por Portugal, onde deu um espectáculo super animado na Aula Magna, Aloe Blacc e a banda Grand Scheme, que o acompanha (e também merece ser elogiada), também conseguiram atrair centenas de pessoas ao Parque Marechal Carmona, no âmbito do festival CoolJazzFest, que decorre anualmenteem Cascais.

Entre a nossatentativa meio atribuladade estacionar o carro e até conseguir chegar ao recinto, conseguimos perceber que o concerto estava a ter início com uma fantástica introdução. Numa questão de minutos, sãoapresentados os singles de maior sucesso. Entrámos dentro do recinto e já se escutava os acordes Femme Fatale, uma cover dos Velvet Underground e que Aloe Blacc interpreta com imensa emoção.

Ao estilo de Marvin Gray e Al Green, Aloe Blacc é realmente um verdadeiro ícone da música soul. "Clap your hands and say hey, say yeah" é uma das frases mais repetidas para o público, como se Aloe Blacc fosse um orquestrador de música gospel, tipicamente americano.

Good Things foi o tema que se seguiu e foi o álbum com o mesmo título que foi tocado na íntegra, numa noite em que o frio foi uma coisa que não nos assistiu.

Num registo mais romântico, o músico cantou You Make Me Smile, o que fez com os casais presentes se agarrassem ainda mais, criando-seuma atmosfera mais sensual. Aloe Blacc aproveitou e dedicou a musica à falecida Amy Winehouse,recordando que ela nos fazia sorrir e que todos sentimos a falta dela.

"I need a dollar, a dollar, a dollar is all I need" - bastou entoar esta pequena frase para que os telemóveis e as câmaras fotográficas se ligassem para registar um dos grandes sucessos radiofónicos dos últimos meses. Questionando, logo de seguida,os presentes se gostavam de hip-hop e reagge, Aloe Blacc cantou o refrão de No Woman No Cry, de Bob Marley, e Maneater, dos Hall & Oates, chamando ao palco a jovem australiana Maya Jupiter, que o tem acompanhado na sua digressão mundial.

Houve ainda tempo para um encore bastante composto, com direito a um solo de guitarra e de saxofone, assim como à interpretação, porAloe Blacc, novamente no palco,de Billie Jean, de Michael Jackson, de forma irreconhecível e carregada de simbolismo. Depois do fantástico Loving You Is Killing Me, o músico diz que já não devia estar ali presente, mas que ainda tem mais uma música para nos oferecer. Visto que ele e os membros da banda são oriundos da California, nada melhor do que recordar California Dreaming, da banda The Mamas and Papas.

Aloe Blacc tem ainda uma vida de sucessos pela frente, mas é visível que já consagrou um lugar na história da música com o seu grandeà vontade e performance em palco. Segundo o próprio, a música é universal e todos nós nascemos com a música dentro da nossa alma. Se ele o diz, quem somos nós para duvidar.

Texto: Ana Cláudia Silva

Fotografias: Filipa Oliveira

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.