O sucessor de “Raiz” chama-se “Riû” e, não obstante ter “como base o fado”, “amplia as influências musicais e estéticas” da cantora e compositora. “É fácil reconhecer naquele que é o 3.º disco de estúdio de Cuca um encontro entre a canção portuguesa e a música popular brasileira ou entre a pop e a morna”, pode ler-se em comunicado.

Conduzida pela batuta de Nelson Motta, o prestigiado produtor brasileiro que assinou discos de Elis Regina, Marisa Monte ou Daniela Mercury, Cuca canta em “Riû” aquilo a que o produtor intitula como "world fado" – “um fado virado para fora, que toda a gente quer ouvir, e que bebe as influências que afinal lhe estiveram na origem”.

Para isso, também contou com a escrita e a composição de nomes como Jorge Palma, Sara Tavares, Júlio Resende, Mário Pacheco, João Gil, Jorge Drexler, Ivan Lins e Nelson Motta. A fadista apresenta ainda dois temas da sua autoria – Tanto e Amor Ladrão – e dois originais compostos especialmente para ela por Bryan Adams e Djavan. Aliás, com este último, Cuca interpreta um dos únicos duetos que o cantor e compositor brasileiro concordou fazer nos últimos anos - o tema O Amor Não é Somente Amor.

Nas palavras da própria artista, “Riû” é “um disco alegre cujas letras positivas mostram o outro lado do fado - intenso mas esperançoso”.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.