Em declarações à Lusa, o músico britânico disse que compor música para cinema lhe dá “especial gosto” mas, como compositor, tem “produzido outro tipo de material, como suites, pelo simples prazer de fazer música e deleitar quem a escuta”.

Na quarta-feira, Nyman toca na Casa da Música, no Porto, no dia seguinte, no Teatro Aveirense, em Aveiro, e, na sexta-feira, no Grande Auditório no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, sempre às 21:00.

O alinhamento dos concertos é constituído por "temas familiares" das bandas sonoras que compôs, cujas imagens serão projetadas, enquanto toca.

“A audiência será surpreendida por esta combinação entre música tocada ao vivo e imagens, o que poderá ser também um estímulo”, acrescentou.

A ideia destes recitais partiu “do álbum editado há uns seis anos, ‘The Piano Sings’, que recuperava alguns temas mais conhecidos de bandas sonoras e, por outro lado, permitia afastar aquela apresentação, um pouco à rock n’roll, a Michael Nyman Band”.

“Nestes concertos vou explorar o meu repertório pianístico”, disse o compositor que tem escrito partituras também para ópera.

Nyman, 69 anos, afirmou que este conjunto de concertos mostra mais aquilo que é, “um pianista e um homem que compõe essencialmente para piano, apesar das conhecidas orquestrações de peças pianísticas suas que tem servido de banda sonora a muitos filmes”, como “O Cozinheiro, o ladrão, a sua mulher e o amante dela”, de Peter Greenaway.

A forma como se apresenta a solo “permite uma mais estreita ligação entre o piano e o público” e, neste aspeto, Nyman tem “uma ótima experiência” do público português, que descreve como “atento, conhecedor e entusiasta”.

Nyman recorda especialmente o concerto realizado em 1998, na Exposição Internacional de Lisboa, Expo'98, para o qual musicou poemas de Fernando Pessoa.

O compositor chegou a projetar trabalhar com Mariza, o que não veio a concretizar-se “devido à incompatibilidade de agendas e até de projetos de carreira”. Aliás, Nyman tinha tido também projetos com Dulce Pontes que não se efetuaram.

O músico reconhece “o talento e engenho” das duas cantoras, e que “é corajoso” imaginar trabalhar com um compositor, “mas não se pode estar em digressão e, ao mesmo tempo, trabalhar com um compositor”.

Michael Nyman projeta editar, no final do ano, o segundo volume de “The piano sings”. Em 1964, Nyman venceu o Howard Carr Memorial Prize de Composição.

Entre 1968 e 1978, foi crítico musical, nunca deixando totalmente de lado a composição, escrevendo até várias peças neste período, nomeadamente para filmes de Peter Greenway, com o seu grupo Campiello Band, antecessor da atual Michael Nyman Band, cujo primeiro álbum foi publicado em 1981.

Nyman compôs para onze filmes de Peter Greenway, entre os quais "O contrato do desenhador", "Drowning by numbers" ou "Prospero's Books".

Em 1993, compôs a banda sonora de “O Piano”, cujo álbum vendeu mais de três milhões de cópias em todo o mundo e foi distinguido com vários galardões, entre os quais um BAFTA, prémio da academia britânica de cinema e televisão.

Em 2003, iniciou uma residência artística de dois anos no Badisches Staatstheater, em Karlsruhe, na Alemanha, da qual resultaram três óperas.

Em 2005, participou em Quioto, no Japão, num concerto em defesa da conservação ambiental. Em 2008, foi distinguido pela rainha Isabel II, de Inglaterra, com o grau de comandante da Ordem do Império Britânico.

No ano passado compôs a banda sonora do filme “Everday”, de Michael Winterbottom.

@Lusa

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.