"Cynthia Lennon morreu hoje na sua casa em Maiorca, Espanha, após uma batalha curta, mas corajosa, contra o cancro", escreveu Julian na sua página na internet.

"A família agradece as vossas orações", continua a mensagem, acompanhada de um vídeo que conta a vida de Cynthia em fotografias.

Julian Lennon, de 51 anos, também pede respeito à privacidade da família neste momento difícil.

Cynthia, cujo apelido de solteira era Powell, conheceu o músico britânico dos Beatles na escola, em Liverpool, e casou com ele em 1962, quando estava grávida de Julian, que nasceu nessa cidade, em abril do ano seguinte.

Mas o casamento foi mantido em sigilo, já que o agente dos Beatles, Brian Epstein, achou que, naquele momento, a notícia poderia prejudicar a "Beatlemania" que começava a conquistar o Reino Unido.

De facto, John Lennon tocou ao vivo no dia do seu casamento e a lua de mel foi adiada. Quando Julian nasceu, o seu pai estava em digressão.

O casal não sobreviveu ao encontro entre John e Yoko Ono em 1965 ou 1966, segundo versões diferentes, e divorciou-se em 1968, quando o músico se uniu à artista japonesa.

O ex-Beatle foi assassinado em 1980, em Nova Iorque, por um fã que o perseguia. Yoko e o único filho do casal, Sean, continuam a morar na cidade.

Depois da separação, Cynthia Lennon casou mais três vezes, mas acabou por recuperar o apelido do primeiro marido. Enviuvou em março de 2013.

Homenagem de Yoko

Yoko Ono divulgou um comunicado no qual declarou estar "muito triste com a morte de Cynthia", a quem saudou como uma "grande pessoa e maravilhosa mãe de Julian".

"Tinha um grande amor pela vida e estou orgulhosa de como nós, mulheres, nos mantivemos firmes na família dos Beatles. Por favor, unam-se a mim para enviar amor e apoio a Julian neste momento muito triste. Amor, Yoko", acrescentou.

Paul McCartney considerou a notícia "muito triste" e qualificou Cynthia de "uma mulher adorável". "Era uma grande mãe de Julian e todos sentiremos a sua falta, mas sempre terei grandes lembranças dos nossos momentos juntos", disse.

Outro Beatle, Ringo Starr lamentou a morte de Cynthia numa breve mensagens postada nas redes sociais, em seu nome e no de sua esposa. "Paz e amor para Julian Lennon. Que Deus abençoe Cynthia. Amor, de Ringo e Barbara", escreveu no Twitter.

Em Liverpool, Gerry Marsden, o líder dos Gerry and the Pacemakers - outra banda dos anos 1960 - e amigo pessoal de Cynthia também reagiu à notícia. Marsden declarou ao jornal The Liverpool Echo que estava arrasado. "Terrível. Uma amiga querida durante anos. É muito triste", lamentou. "Era uma mulher adorável, muito divertida. Estou arrasado".

Os donos do lendário The Cavern Club, onde os Beatles se apresentaram inúmeras vezes no início da carreira em Liverpool, também enviaram os seus pêsames à família. "Tantas boas recordações de uma mulher encantadora", lamentaram.

Hunter Davies, que escreveu a única biografia oficial dos Beatles em 1968, disse que "ela era totalmente diferente de John, mais tranquila e reservada". "Não era nada hippie. Acho que foi a atração dos opostos. John tratou-a de maneira horrível. Dormiu com Yoko na cama do casal, e, como descobrimos mais tarde, Cynthia apanhou-os. Mas ela era leal", concluiu.

@AFP

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.