Segundo avança o jornal La Vanguardia, a editorial Planeta e os herdeiros do escritor Manuel Vázquez Montalbán chegaram a um acordo para que Carlos Zanón (nascido em Barcelona, em 1966) dê continuidade à série do atípico detetive, embora não haja ainda uma data prevista para a publicação de um novo livro protagonizado pela personagem.

Manuel Vázquez Montalbán, falecido em 2003, serviu-se de Pepe Carvalho, um detetive de origem galega, sediado em Barcelona, para escrever algumas das suas mais célebres novelas, como "Eu matei Kennedy", "Os mares do Sul" ou "Assassinato no Comité Central".

Carlos Zanón é, por outro lado, um dos mais conhecidos e considerados escritores espanhóis de 'suspense' da atualidade, com títulos como "Tarde, mal y nunca", "Yo fui Johnny Thunders" ou "Marley estaba muerto".

O novo detetive Pepe Carvalho, trazido à vida por Carlos Zanón, vai continuar a morar em Barcelona, mas terá um olhar mais contemporâneo e viver o dia-a-dia de forma mais atual, pelo que muito provavelmente terá telemóvel, segundo o autor.

Isto mesmo foi dito à Efe por Carlos Zanón, que se comprometeu a escrever um novo volume da série Pepe Carvalho, depois de ter chegado a acordo com a editora e os herdeiros.

Carlos Zanón disse que recebeu a proposta “com surpresa”, porque é um “desafio”, mas ao mesmo tempo “com muito entusiasmo”, porque se recorda de ter lido os livros de Montalbán na escola, e era algo que queria muito.

O escritor compara dar vida a uma personagem como Pepe Carvalho “com a possibilidade de conduzir um Ferrari", mas admite que não sente a responsabilidade de estar “à altura” de Manuel Vázquez Montalbán.

“Tenho certeza de que me escolheram pela forma como escrevo, pelo olhar que tenho, e quero muito fazer um livro que seja meu”, afirmou Carlos Zanón.

Para já, confirma que o enredo policial “terá lugar aqui e agora”, embora se recuse a desvendar se o seu Pepe Carvalho terá a mesma idade que o de Vázquez Montalbán, ou se terá envelhecido.

Adianta, isso sim, que haverá características do protagonista que permanecerão e outras que vão mudar, pois o que quer fazer é “uma personagem que funcione em 2018, para que possa funcionar também para o leitor de agora.

Carlos Zanón lembra que, antes, Pepe Carvalho utilizava confidentes e cabinas telefónicas, que já quase não existem, e, por isso, "acredita" que o novo Carvalho usará telemóvel, mas não especifica se vai seguir séries de televisão ou se vai investigar mistérios relacionados com o terrorismo islâmico.

O escritor estima que o novo livro de Pepe Carvalho seja publicado entre março e abril de 2018, e adiantou que se dedicará a cem por cento a esta tarefa, assim que completar a sua próxima obra, que se chamará “Táxi”.

"Assassinato no Comité Central" e "O Quinteto de Buenos Aires" são alguns dos livros de Montalbán, protagonizados por Pepe Carvalho, publicados em Portugal, a par de títulos como "Autobiografia do General Franco", "E Deus Entrou em Havana", "O que é o imperialismo".

Jornalista, escritor, poeta, ensaísta, Manuel Vasquez Montalbán nasceu em Barcelona, em 1939, foi um resistente à ditadura de Francisco Franco, em Espanha, o que lhe valeu a prisão e a proibição de aceder aos meios de comunicação, durante a década de 1960.

Recebeu, entre outros, os prémios Planeta, Nacional das Letras Espanholas e o Europeu de Literatura.

Morreu em Banguecoque, na Tailândia, em 2003, ao serviço do jornal El País, para o qual trabalhava.

"De cómo don Mariano Rajoy se convirtió en un ovni" é um dos últimos textos do escritor, para o jornal espanhol.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.