Sucessor de uma estreia aclamada, "Blue Lines" (1991), e de um álbum, "Protection" (1994), que sedimentou os Massive Attack enquanto referências do trip-hop, "Mezzanine" (1998) foi o terceiro capítulo do então trio de Robert Del Naja ("3D"), Grant Marshall ("Daddy G") e Andrew Vowles ("Mushroom", que entretanto abandonaria o projeto), destacando-se, 21 anos após a edição, entre os mais populares e influentes do coletivo de Bristol.

À combinação de soul, dub, funk, hip-hop e eletrónica que gerou a linguagem do grupo, o disco de 1998 acrescentou uma presença mais forte das guitarras e heranças diretas do pós-punk, adensando o negrume de uma música já de si sombria. Não foi grande surpresa, por isso, que a noite na qual os Massive Attack regressaram a essas canções, em Lisboa, tenha deixado momentos ainda mais abrasivos do que os do álbum enquanto os intercalou com regressos a um passado mais distante: o da década de 1980 e de anos anteriores, que viram nascer nomes aos quais o alinhamento de "Mezzanine" deve alguma coisa (e alguns chegaram a ser samplados nas suas faixas).

Foi, aliás, com uma versão de "I Found a Reason", dos Velvet Underground, que arrancou um espetáculo no qual a música foi partilhando protagonismo com a imagem, logo aos primeiros minutos. Sem nunca se terem dirigido ao público durante cerca de hora e meia (duração de uma atuação que dispensou primeira parte e encore), os britânicos nem por isso deixaram de comunicar - ou de propor uma reflexão sobre como temos comunicado nos últimos anos.

Entre imagens que incluíram excertos de reportagens televisivas - de cenários de guerra a situações caricatas com figuras mediáticas, sobretudo da política - ou de vários recantos da cultura pop - Britney Spears, Rato Mickey, "O Feiticeiro de Oz" -, a viagem ao passado esteve longe de se esgotar nas canções e foi contrastando cenários com alusões ao individualismo e ao consumismo, deixando também alertas sobre as limitações e engodos de uma comunicação tecnológica em rede, aparentemente global e livre.

Expressões-chave de Donald Trump ou da Revolução Francesa, olhares sobre os privilegiados e os marginalizados, imagens de celebração e de desolação: este cruzamento foi parte da experiência audiovisual na qual as frequentes projeções no palco (a cargo de Adam Curtis,  documentarista premiado da BBC) contaram tanto como a presença dos Massive Attack e dos músicos e cantores convidados.

Além das vozes de 3D e Daddy G, ouviram-se as da escocesa Elizabeth Fraser e do jamaicano Horace Andy, decisivas em "Mezzanine". A ex-vocalista dos Cocteau Twins regressou a "Black Milk", voltou a partilhar "Group Four" com Del Naja, tal como no disco, e foi especialmente aplaudida em "Teardrop", provavelmente a canção mais popular do álbum (e um dos episódios cenicamente mais sóbrios da noite, dispensando projeções). Já o veterano do reggae levou a que "Man Next Door" tenha sido o primeiro grande momento de aplauso generalizado do concerto - depois de os Massive Attack terem apresentado uma versão de "10:15 Saturday Night", dos The Cure (samplada no tema) - e voltou para revisitar um original seu, "See a Man's Face" (talvez a canção menos claustrofóbica da noite) e "Angel", tão cinematográfica e opressiva como na abertura de "Mezzanine".

"Bela Lugosi Is Dead", dos Bauhaus, e "Rockwrok", dos Ultravox, também tiveram direito a homenagem e contribuíram para que o pós-punk se impusesse ao trip-hop em boa parte da atuação. Ou para deixar no ar que há mais semelhanças do que diferenças entre essas linguagens, pelo menos no livro de estilo dos Massive Attack - os finais particularmente agrestes de "Mezzanine", "Inertia Creeps" e "Dissolved Girl" (servida com voz pré-gravada) pareceram apontar para aí.

Outra "homenagem", com uma breve entrada em cena do êxito EDM "Levels", de Avicii, acompanhou o jogo de contrastes da sucessão de imagens e o sentido de humor de parte delas. Mas quem ri por último, o homem ou a máquina? 21 anos depois de "Mezzanine" (e 20 depois de "Matrix", outro clássico de um período de tensão pré-milénio), os Massive Attack parecem temer a resposta numa celebração onde a ironia tentou camuflar a angústia.

Os Massive Attack voltam a atuar no Campo Pequeno, em Lisboa, esta terça-feira, a partir das 20h30, num concerto também esgotado.

Alinhamento:

'I Found a Reason' (versão dos Velvet Underground)
'Risingson'
'10:15 Saturday Night' (versão dos The Cure)
'Man Next Door'
'Black Milk'
'Mezzanine'
'Bela Lugosi’s Dead' (versão dos Bauhaus)
'Exchange'
'See a Man’s Face' (versão de Horace Andy)
'Dissolved Girl'
'Where Have All the Flowers Gone?' (versão de Pete Seeger)
'Inertia Creeps'
'Rockwrok' (versão dos Ultravox)
'Angel'
'Teardrop'
'Levels' (versão de Avicii)
'Group Four'

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.