Sara Tavares e Carminho começam este sábado, 14 de novembro, uma pequena digressão conjunta, que as levará até Toronto e Vancouver, no Canadá, e Nova Iorque e Mineápolis, nos Estados Unidos.

As artistas têm ainda, cada uma, um concerto a solo esta sexta feira (13): Carminho atua em Montreal, Sara Tavares em Rhode Island.

Os concertos estão a ser anunciados como o momento em que "duas vozes femininas distintas se juntam numa noite mágica de música lusófona da nova geração."

A promotora dos concertos, Alexa Burneikis, disse à Lusa que a combinação das duas artistas "pareceu uma combinação natural, porque ambas representam uma nova geração de música lusófona."

"É uma combinação com fortes raízes na tradição, mas que não é limitada por ela. Na Sara, ouvem-se notas de neo-soul, r&b e reggae; na Carminho, pop brasileira e influências de jazz. Mas, em ambas, isto acontece de forma natural, apenas como resultado de serem cidadãs do mundo", explicou a norte-americana.

As artistas começam por atuar no Koerner Hall, em Toronto, no sábado, e seguem depois para Nova Iorque, onde atuam na terça-feira, no espaço City Winery, que já acolheu Ana Moura em 2013.

O terceiro concerto acontece dois dias depois, no Dakota Jazz Club, em Mineápolis, e a mini digressão encerra no Chan Shun Concert Hall, em Vancouver, no dia 21 deste mês.

Carminho já atuou este ano nos EUA, sendo uma das convidadas do Festival Ibérico que aconteceu no Kennedy Center, em Washington, mas para Sara Tavares estes serão os primeiros concertos no país desde 2009.

Burneikis, que se apresenta como "uma autodeclarada lusófila" e considera "a língua portuguesa linda e os países e géneros por onde se espalha extraordinários", diz que cada vez mais pessoas a acompanham neste gosto.

"Existe, sem dúvida, um interesse crescente neste tipo de música e - espero - uma audiência cada vez mais global que consiga apreciá-la, mesmo com a barreira da língua", garante.

A popularidade desta música começou, explica, com os músicos brasileiros e géneros como bossa nova, mas expande-se agora a outros géneros e países.

"Depois dos brasileiros, artistas como Cesária e Mariza abriram tantas portas. Hoje, vejo em todas as grandes cidades comunidades dançando kizomba, semba e kuduru. É maravilhoso testemunhar o erguer colectivo dos artistas lusos", diz a promotora.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.