Russell Crowe pode ter alguns filmes menos memoráveis na carreira, mas apenas lhe pesa ter recusado um papel.

E não foi Aragorn em "O Senhor dos Anéis" ou Wolverine na saga "X-Men".

"O Senhor dos Anéis": rejeição de Russell Crowe custou-lhe uma fortuna
"O Senhor dos Anéis": rejeição de Russell Crowe custou-lhe uma fortuna
Ver artigo

"O único em que tenho um pingo de arrependimento, seriamente, e possivelmente me arrependo, foi ter recusado o 'biopic' sobre Johnny Cash", contou à Nova FM na Austrália.

O filme, claro, é "Walk the Line", de 2005.

O papel de Johnny Cash acabou por ir para Joaquin Phoenix, o seu colega de "Gladiador", que foi nomeado para os Óscares (Reese Witherspoon, que interpretou June, a esposa, conquistou a estatueta de Melhor Atriz).

"Foi uma daquelas coisas de moralidade interna. Foi tipo 'Isto é um trabalho de sonho para mim!’. Eu interpretava músicas de Johnny Cash desde miúdo, mas senti que estaria a ganhar coisas que não tinha merecido. Simplesmente pareceu-me errado", explicou.

Russell Crowe, que tem uma carreira paralela como músico, acrescentou que não quis parecer estar a "apoiar-se nas costas de Johnny Cash para ter nomeações aos Grammy" [os Óscares da música].

No entanto, arrependeu-se da decisão assim que começou a ver "Walk the Line".

"Desde as primeiras notas, quando a câmara está a atravessar a prisão [de Folson], começaram as facadas no coração. Não só queria fazer o filme, mas era exatamente o tipo de filme que queria fazer", recordou.

A experiência deve ter marcado o ator, porque entrou no filme seguinte do realizador James Mangold, um "western" chamado "O Comboio das 3 e 10" (2007).

Crowe revelou ainda que ficou comovido por uma carta de Cash a elogiar o seu trabalho em "Gladiador", que permanece um dos seus bens mais preciosos.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.