A animação «Madagáscar 3», de Eric Darnell, Tom McGrath e Conrad Vernon, liderou as exibições cinematográficas em Portugal, com 632.069 espetadores e 3,7 milhões de euros de receita bruta de bilheteira. Em segundo lugar figura o último capítulo da saga «Crepúsculo», realizado por Bill Condon, que somou 524.944 espetadores e 2,7 milhões de euros.

O terceiro filme mais visto em Portugal em 2012 foi outra animação: «A Idade do Gelo 4: Deriva Continental», de Steve Martino e Mike Thurmeier, com 507.110 espetadores e três milhões de euros de receita, seguindo-se, por ordem, no Top 10, «007 - Skyfall», «Brave Indomável», «Ted», «American Pie: O Reencontro», «O Cavaleiro das Trevas Renasce», «O Hobbit: Uma Viagem Inesperada» e «Sherlock Holmes: Jogo de Sombras».

Entre os filmes portugueses estreados em sala em 2012, o mais visto foi «Balas & Bolinhos: O Último Capítulo», de Luís Ismael, com 256.158 espetadores e 1,29 milhões de euros de receita. Abaixo deste ficou a transposição para cinema da série televisiva «Morangos com Acúçar», por Hugo de Sousa, com 238.200 espetadores e 1,23 milhões de euros.

Com resultados muito distantes destas duas produções, o terceiro filme português mais visto foi «O Cônsul de Bordéus», de Francisco Manso e João Correa, sobre o diplomata Aristides de Sousa Mendes, com 50.919 espetadores e 254.182 euros de receita de bilheteira. Entre os dez filmes de produção portuguesa mais vistos contam-se ainda «Florbela», de Vicente Alves do Ó, «Tabu», de Miguel Gomes, e «Operação Outono», de Bruno de Almeida.

Num ano que ficou marcado pela ausência abertura de concursos de apoio financeiro para o cinema português, o ICA contabilizou produções referentes a concursos de anos anteriores - concluídos ou em fase de conclusão em 2012 - como as longas-metragens «Linhas de Wellington», de Valeria Sarmiento, e «O Gebo e a Sombra», de Manoel de Oliveira, e as curtas «Blackout», de João Figueiras, e «Vazante», de Pedro Flores.

A contrastar com a ausência de apoios financeiros, o cinema português somou, em 2012, mais de uma centena de prémios e menções especiais em festivais de cinema estrangeiros.

Quanto à origem genérica dos filmes estreados em sala, a balança equilibrou-se entre a Europa (129) e os Estados Unidos (138), mas nos filmes exibidos – sem ser em estreia – o velho continente supera a produção norte-americana, com 380 contra 237.

No entanto, no que toca a receitas de bilheteira, os resultados são outros: os filmes de produção norte-americana renderam em Portugal 55,1 milhões de euros, enquanto os da Europa somaram 11,4 milhões de euros.