Corações a arder, ouvidos a estourar, olhos cintilantes... um cenário extremo e apetecível que abalou a rotina das noites de sexta-feira, na Invicta. O Lendário Homem-Tigre inundou o Coliseu com as suas guitarradas, que ecoavam os sons provenientes do Mississipi, esvaziando um pouco a maré de pessoas, que tende a se abater sobre a Baixa do Porto.

Desde o momento em que entrou em palco até ao último acorde, The Legendary Tigerman não deixou de seduzir o público, não só musicalmente, mas também sexualmente. Não foram raras as imagens de mulheres nuas ou em
lingerie projectadas nas telas que o rodeavam o artista. As próprias vocalistas seduziram quer pela sua voz, quer pelos seus movimentos e irreverência.

À primeira nota musical surge uma imagem da cara de Asia Argento, projectada numa tela gigante, atrás de Paulo Furtado, que deu música às palavras que saiam dos lábios carnudos da actriz, que cantava
My Stomach Is The Most Violent of All of Italy . O olhar da italiana seduziu o Coliseu, mas a voz de Lisa Kekaula não ficou atrás. Ao entrar em palco para interpretar
Walkin’ Downtown, a norte-americana, que já colaborou com nomes como
Basement Jaxx e The Bloody Beetroots, recebeu uma ovação de palmas. No entanto, seria com
The Saddest Thing to Say que Lisa Kekaula provocaria a histeria.

De cabelos dourados e com um longo vestido azul, Cláudia Efe interpretou
Honey You’re Too Much e
Light Me Up Twice. Apesar do seu ar angelical, a cantora depressa se revelou uma verdadeira diabinha que levou a temática do concerto mais longe, ao abrir a saia do seu vestido e mostrar as suas pernas e roupa interior. Na primeira música, cantada pelo belo demónio, o desejo do público era ainda maior, uma vez que estavam a ser projectadas imagens da Sofia Aparício em
lingerie, peças de roupa que acabaram por ficar de lado no vídeo que ilustrou, à letra, a música
Naked Blues.

Nem só de alusões ao sexo e sensualidade se fez o concerto de Paulo Furtado. Durante as duas horas de concerto houve, também, tempo para o amor. A personificá-lo esteve a amorosa
Rita Redshoes, que deu voz a
Hey, Sister Ray. Já no segundo encore, a temática do amor voltou a ser abordada ao som de
True Love Will Find You In The End, um original de Daniel Johnston. O apaixonado The Legendary Tigerman aconselhou os seus fãs a procurarem o seu verdadeiro amor ou a “levarem-no para casa”, caso já o tenham encontrado.

Outros clássicos revisitados pelo ‘one man show’ português foram
These Boots Are Made For Walking de Lee Hazlewood, tema gravado em "Femina" com a voz de Maria de Madeiros, e J
ockey Full Of Bourbon, de Tom Waits, cantado por Lisa Kekaula, ao som das batidas de
Rita Redshoes.

O desfile de convidados continuou ao longo do concerto:
Dead Combo, DJ Ride, DJ Nelassassin, Jim Diamond, Mick Collins e Wraygunn. O baterista e guitarrista americanos surpreenderam pela sua mestria e ajudaram Paulo Furtado a suportar músicas mais complexas. Já os DJS convidados não acrescentaram nada de relevante ao concerto, a não ser um ruído incomodativo. A banda berço de The Legendary Tigerman revisitou o famoso
Go Go Dancer e apresentou uma nova música,
Cursing, onde Selma Uamusse revela o potencial das suas cordas vocais. O violoncelo de Pedro Gonçalves e a guitarra de Tó Trips também marcaram presença em músicas como
Lusitânia Playboys, original dos
Dead Combo.

Apesar de todo o rock n’ roll e sensualidade, o concerto desiludiu, não pela prestação dos músicos, mas sim pela inércia que mantinha o público preso ao chão. Paulo Furtado e Cláudia Efe desafiaram o público da plateia a se levantar e aproximar do palco, mas mesmo de pé, continuaram estáticos. A sala do Coliseu, por encher, parecia congelada, talvez devido às baixas temperaturas. Já para o concerto de hoje, em Lisboa, espera-se um ambiente mais quente, com uma sala esgotada e irrequieta, a não ser que fique siderada pela voz desafinada de Rita Braga, que transformou a primeira parte do concerto em vinte minutos de sofrimento.

Na memória fica uma noite cheia de sensualidade, mulheres, rock n’ roll, e um Paulo Furtado no seu melhor, rodeado por músicos de grande valor.

Alinhamento do concerto no Coliseu do Porto:

1-
My Stomach Is The Most Violent of All of Italy, com Asia Argento

2-
Walkin’ Downtown, com Lisa Kekaula

3-
Naked Blues

4-
Honey You’re Too Much, com Cláudia Efe

5-
Light Me Up Twice, com Cláudia Efe

6-
Hey, Sister Ray, com
Rita Redshoes

7-Desconhecida com os
Dead Combo

8-Desconhecida com os
Dead Combo

9-
Lusitânia Playboys, dos
Dead Combo

10- Desconhecida com Cláudia Efe

11-
These Boots Are Made For Walking (Lee Hazlewood)

12-
I Got My Night Off

13-
No Way To Leave On a Sunday Night

14- Desconhecida

15-
Radio and TV Blues

16-
Bad Luck Rhythm' N' Blues Machine

17-
The Saddest Thing To Say, com Lisa Kekaula

18-
Jockey Full Of Bourbon (Tom Waits), com Lisa Kekaula e
Rita Redshoes

19-Desconhecida com Jim Diamond e Mick Collins

20-
Girls, com Jim Diamond e Mick Collins

21-
Say Hey Hey, com João Doce (Wraygunn), DJ Ride e DJ Nelassassin

Encore

22-
Life Ain't Enough For You - Asia Argento

23-
She’s a Go Go Dancer – Wraygunn

24-
Cursing – Wrayguun

Segundo Encore

25-
True Love Will Find You In The End (Daniel Johnston)

Melanie Antunes

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.