O concerto da orquestra, que tem por titular o maestro Osvaldo Ferreira, foi anunciado na quarta-feira pela sala de espetáculos do Porto, inclui "uma pequena homenagem" a profissionais de saúde, e realiza-se um dia antes da sua atuação no Campo Pequeno, em Lisboa, divulgada na semana passada pela promotora Everything is New, também no âmbito do 250.º do nascimento de Beethoven.

O programa inclui "duas das mais emblemáticas obras deste compositor: a 5.ª Sinfonia, celebrizada pelo ritmo dos seus primeiros compassos, e o 5.º Concerto para piano, também conhecido como ‘Imperador’, o último dos concertos para piano e orquestra compostos" pelo mestre de Bona, acrescenta a apresentação do Coliseu.

Como solista em piano estará João Bettencourt da Câmara.

O concerto "250.º Aniversário de Beethoven - Orquestra Filarmónica Portuguesa" será apresentado com o palco em formato de arena e a entrada é livre, mediante reserva de lugar na bilheteira do Coliseu Porto Ageas ou em Blueticket.pt.

Para os profissionais de saúde, que nos últimos meses estiveram "na primeira linha de combate à pandemia", o Coliseu e a Associação Comercial do Porto reservaram "um dos melhores setores da sala", que batizaram de "Tribuna Profissionais Saúde", adiantou o Coliseu.

"Esta - acrescentou - é uma pequena homenagem a quem salva vidas".

A Orquestra Filarmónica Portuguesa tem sede em Viseu e foi fundada em 2016 por Osvaldo Ferreira e Augusto Trindade.

Depois de quase três meses encerradas, devido à pandemia da COVID-19, as salas de espetáculos em Portugal puderam reabrir a partir de 1 de junho, seguindo regras definidas pela Direção-Geral de Saúde (DGS), que incluem a exigência de máscaras, lugares marcados, definição de vias de entrada e de saída, limpeza e desinfeção das instalações e recintos.

Nas salas só podem existir bilhetes para lugares sentados, alternados e desencontrados em relação à fila seguinte. O palco tem de ficar pelo menos a uma distância de dois metros do público ou, em alternativa, têm de ficar vagas as duas primeiras filas da plateia.

As entradas e saídas de público devem ter circuitos próprios e separados e, “sempre que possível”, as portas de acesso aos espaços devem permanecer abertas, “evitando o seu manuseamento”.

Nos espetáculos e na exibição de filmes “não devem existir intervalos durante as sessões”.

Em relação às orquestras, segundo as regras, deve ser assegurada a distância física de dois metros entre os músicos que toquem instrumentos de sopro e de 1,5 metros entre os restantes. Não é permitida a atuação em fosso de orquestra.

A 5.ª Sinfonia, em Dó menor, op. 67, de Beethoven, exige, de instrumentos de sopro, duas flautas, um flautim, dois oboés, dois clarinetes, dois fagotes e um contrafagote, duas trompetes, duas trompas e três trombones.

O 5.º Concerto para piano, em Mi bemol maior, op.73, requer duas flautas, dois oboés, dois clarinetes, dois fagotes, duas trompetes e duas trompas.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.