“Chamei-lhe ‘Escrito no Destino’, porque tem a ver com a história que nós traçamos, e eu acredito que o que eu tenho feito é fruto daquilo que tenho traçado e aprendido”, disse Helder Moutinho, em entrevista à agência Lusa.

“No fundo, o espetáculo reflete todos os discos que já fiz, desde ‘Sete Fados e Alguns Cantos’ (1999) até ao mais recente, ‘Manuel do Coração’ (2016), em que tenho muitos fados tradicionais, alguns com poemas de minha autoria”, acrescentou.

Entre os cinco álbuns que publicou, “Luz de Lisboa” foi distinguido com o Prémio Amália para o Melhor Disco do Ano.

Segundo o fadista, também poeta e produtor musical, “o fado ainda está na moda, graças a Deus”, mas alerta que esta é "uma questão cíclica”, que já foi vivida noutras épocas, e citou períodos em que pontificaram nomes como Alfredo Marceneiro e Maria Alice, e, mais tarde, Amália Rodrigues.

Helder Moutinho salientou o facto de “uma geração jovem estar a lançar âncoras, chamando a atenção de outras pessoas para o fado, curiosas que ganham o gosto e acabam por ficar a gostar”.

Para o autor de “Lisboa das mil janelas” não se corre o risco de descaracterização do fado, apesar dos contributos de outras áreas musicais, como a 'pop', o 'rock' ou o 'jazz' ou até a introdução de novos instrumentos.

Segundo Helder Moutinho esta foi uma situação que já aconteceu no passado, “e foi bem feito”, mas “são momentos diferentes e vivemos cada um deles como melhor entendemos na altura”.

Fazendo um balanço da sua carreira, o criador de “O Meu Coração Tem Dias” afirmou: “Nunca quis deixar de estar sempre a aprender, e tentar aperfeiçoar a minha forma de interpretar, e aprofundar a minha forma de ser fadista, que é uma coisa que se faz diariamente”.

“Tentando cada vez mais aperfeiçoar-me, adaptar-me à realidade das minhas capacidades e, com isso, apurando cada vez mais a minha forma de interpretar, com isto, o resto vem a nós, os compositores, os letristas…”, disse.

No palco do S. Luiz, Helder Moutinho vai ser acompanhado pelos músicos Ricardo Parreira, na guitarra portuguesa, André Ramos, na viola, e Ciro Bertini, no contrabaixo.

O próximo álbum do fadista deve ser publicado no próximo ano, adiantou.

O seu percurso discográfico, iniciado com “Sete Fados e Outros Cantos” (1999), inclui “Que fado é este que trago?” (2008) e “1987” (2014).

Helder Moutinho cantou, entre outras casas de fado, no Nonó, que existiu no Bairro Alto, em Lisboa, na Taverna D’El Rei, a Alfama, também já encerrada, e, atualmente, na sua casa de fados Maria da Mouraria ou na Tasca do Faísca, ambos na histórica rua do Capelão, na Mouraria, onde morreu a fadista Maria Severa Onofriana, e onde nasceu e viveu Fernando Maurício, que a tradição adjetivou como “rei do fado”.

O fadista tem atuado além-fronteiras, nomeadamente, no Canadá, Estados Unidos, Bélgica, Espanha, Finlândia, França, Holanda e Rússia, entre outros países.

Newsletter

Os melhores filmes, as séries mais populares e a música que tem mesmo de ouvir. Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.