O concerto é parte de um projeto maior, o Mutrama - Música Tradicional Madeirense Revisitada, que “tem como principal objetivo dar a conhecer muitas canções madeirenses, que foram recolhidas durante anos pela associação Xarabanda, e que estão perdidas no tempo”, explicou, em entrevista à agência Lusa, o guitarrista André Santos, diretor artístico do projeto.

O interesse de André Santos pela música tradicional madeirense já vem de trás. O guitarrista, que nasceu na Madeira mas vive atualmente em Lisboa, fez a tese de mestrado do curso de Jazz, que completou em Amesterdão, sobre os cordofones madeirenses – rajão, braguinha e viola de arame. E acredita que foi por isso que o desafiaram a juntar-se a Mutrama.

O projeto divulga canções que foram passando de geração em geração. Em algumas recolhas da Xarabanda, “ouve-se as senhoras a dizer 'eu aprendi esta música com a minha mãe', senhoras com 80/90 anos, 'e já estou a ensaiar as meninas há 40 anos', que devem ser as filhas”.

O concerto no São Luiz é apenas uma das maneiras encontradas para divulgar os temas “que, até na Madeira, pouca gente conhece”. Além dos concertos – em julho aconteceu o primeiro, no Teatro Municipal Baltazar Dias, no Funchal -, os responsáveis pelo projeto decidiram “disponibilizar a música na Internet, parte do arquivo da Xarabanda, e fazer vídeos com as senhoras e os senhores que sabem estas canções a cantar”.

Entretanto, foi também editado um disco com algumas das canções, revisitadas.

André Santos recebeu do líder da Xarabanda, Rui Camacho, 60 recolhas, das quais o diretor musical do projeto escolheu dez “para fazer arranjos e o disco”.

O músico quis que a escolha “fosse representativa da variedade que existe”, até porque, admite, “também desconhecia por completo essa variedade”.

“Comecei a ouvir as 60 recolhas descontraidamente, às vezes ia ouvindo no carro aleatoriamente e havia algumas que me chamavam automaticamente a atenção e ia pondo de parte”, contou.

Dessa primeira escolha ficaram 20 temas, que André Santos voltava a ouvir já “pensando em arranjos, como podia fazê-lo hoje em dia”. “E muitas delas automaticamente sugeriram um intérprete, como a ‘Noite Serena’. Imediatamente pensei que o Salvador Sobral seria a pessoa perfeita [para essa canção]”, partilhou.

Além de Salvador Sobral, o músico convidou também Maria João, Ricardo Ribeiro e Mariana Camacho a darem voz a temas de Música Tradicional Madeirense Revisitada.

“Tive a sorte de as pessoas que imaginei a cantar as canções me terem dito logo: ‘Quando é que gravamos?’, ‘Vamos a isso’”, referiu.

Dos dez temas que compõem o disco, André desconfia que “o público em geral na Madeira se calhar conheça uma”, a única que ele conhecia, “Mourisca”, “um dos géneros musicais mais tocados na Madeira, um tipo de música com várias letras sobre a mesma melodia, a mesma harmonia, tal como a ‘Bailinho da Madeira’, celebrizada pelo Max, que originalmente é cantada ao despique”.

Os temas escolhidos são originários de vários pontos da Ilha da Madeira: a “Pensação do Menino” é do Porto da Cruz, a “Noite Serena” é uma balada do Paul do Mar. “Nestas regiões, se calhar, as pessoas conhecem estas canções. No Funchal, por exemplo, eu nunca sequer tinha ouvido falar”, disse.

No disco, André Santos decidiu incluir as recolhas feitas ao longo dos anos pela Xarabanda: “Conheci estas recolhas através das vozes dessas senhoras e desses senhores, ‘a cappella’, e muitas delas emocionaram-me logo à primeira”.

O tema “Pensação do Menino” começa com a voz de Beatriz Silva, captada nas recolhas em 2014, passando depois para Maria João. Em “Canção de Embalar”, ouve-se a voz de Rosa Alves, captada em 1972, com um instrumental gravado agora, e, em “Guerras de D.João”, a de Maria Jesus A. Santos, cuja recolha data de 1995.

A acompanhar as vozes, em todas as canções há um trio base, composto por André Santos (guitarra, viola de arame, rajão e braguinha), António Quintino (contrabaixo) e Joel Silva (bateria e percussões), ao qual se juntam, em alguns temas, Desidério Lázaro (saxofone soprano), Francisco Andrade (saxofone tenor) e Graciano Caldeira (braguinha).

No Teatro São Luiz, a 04 de outubro, estarão em palco onze dos músicos envolvidos no projeto para “tocar o disco na íntegra”, mas com “versões alteradas, porque em palco as coisas às vezes vão por outros caminhos”.

Ao alinhamento do concerto em Lisboa, André Santos acrescentou “mais duas canções, uma para o Salvador Sobral e outra para a Maria João”.

“O trio base está sempre, e depois há um 'entra e sai' de convidados – Maria João, Mariana Camacho e Salvador Sobral nas vozes, há algumas canções com um ensemble de cordofones madeirenses, também usamos as recolhas antigas a passarem como 'voz off'. Há músicas com saxofone, outras com saxofone e voz, assim uma mistura. No fim trazemos toda a gente ao palco e tocamos uma música todos juntos”, revelou.

Quanto ao futuro do projeto, André Santos adianta que “a ideia é continuar, não só a divulgar este primeiro disco, mas também, tendo em conta a variedade e o leque tão grande de recolhas já efetuado, fazer um volume dois, um volume três”.

“Não necessariamente comigo como diretor musical, mas claro que estou disposto. A ideia é dar a conhecer as músicas da Madeira, seja como for”, disse.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.