Intitulado “Sob a terra”, a produção está em fase de ensaios, afinando uma máquina que junta várias artes. Em setembro e outubro será apresentado em oito aldeias dos distritos de Santarém e Coimbra.

Responsável pela criação, encenação e coordenação entre parceiros, Frédéric da Cruz Pires explica que o pretendido é “minimizar os comportamentos de risco das comunidades para diminuir os fogos rurais”.

“Já estive nos sítios onde vamos atuar e há aldeias no meio da floresta. Queremos alertar para o perigo de queimadas ou para o risco da utilização de máquinas agrícolas” através de “um ‘murro’ no estômago”, diz o diretor do Leirena Teatro, para que a mensagem “fique no pensamento e na memória das pessoas”.

Sem recurso a fogo ou fumo, “Sob a terra” vai criar tensão dramática pela poética, musicalidade e corpos dos atores, com “uma ameaça sempre latente”: a possibilidade de fogo.

“Queremos que as pessoas se identifiquem e que sejam mais proativas. Se virem alguém a fazer algo que não deva, que comecem a dizer para não o fazer. Queremos que sejam agentes ativos na prevenção”, reforça.

Além do Leirena, a peça envolve a companhia Manipulartes, a produtora Casota Collective, a compositora Surma, o realizador Álvaro Romão, o artista plástico Nuno Viegas e o dramaturgo Luís Mourão, a par de ranchos, filarmónicas e associações dos locais onde será apresentado.

O texto foi desenvolvido através de um processo colaborativo recheado de liberdade, revela Luís Mourão.

“Foi um bocadinho diferente do habitual, porque foi feito a partir de improvisações”.

A intenção é sugerir “uma leitura mais interessante do que já existe na rádio ou na televisão, o ‘não faça isto ou não faça aquilo’”, a partir da liberdade dada aos atores.

“Desta forma, há a vantagem da ligação ao texto e às ideias que foram sendo transmitidas ser mais forte, porque foi vivida na improvisação e trabalhada depois”, acrescenta.

Luís Mourão deseja levar ao público “um corpo harmónico, uma coisa orgânica” que seja “muito mais interessante e enriquecedora” e “mais eficaz a nível do discurso”.

O projeto "Sob a terra" foi um dos vencedores do concurso "Não brinques com o fogo" na região Centro, promovido pelo Ministério da Cultura e Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF) visando a alteração de comportamentos das populações em relação aos incêndios rurais.

A primeira apresentação é em 25 de setembro, em Espite, Ourém. Dias 26 e 27, “Sob a terra” vai às freguesias Rio de Couros e Urqueira, respetivamente, também naquele concelho do distrito de Santarém.

Em outubro, dias 3 e 4, chega a Lorvão e São Mamede, em Penacova, distrito de Coimbra.

A 10 de outubro, “Sob a terra” estará na Aldeia do Carvalho. O espetáculo será apresentado em Botão em 17 de outubro e Larçã, no dia seguinte.

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.