Leonardo DiCaprio deu às autoridades americanas um Óscar.

Não o que finalmente ganhou o ano passado com "The Revenant: O Renascido", mas o que recebeu Marlon Brando por "Há Lodo no Cais", de 1954.

O prémio foi uma prenda da equipa da Red Granite Pictures pelo seu 38º aniversário em novembro de 2012, quando estava no terceiro mês de rodagem de "O Lobo de Wall Street".

A produtora está sob investigação do Departamento de Justiça dos EUA pelo alegada participação num fundo de investimento e desenvolvimento da Malásia envolvido na lavagem de dinheiro de mais de 3,5 mil milhões de dólares.

As autoridades suspeitam que parte desse dinheiro pode ter sido usado para financiar a produtora e o filme, uma vez que o co-fundador da Red Granite é Riza Aziz, enteado do antigo primeiro-ministro da Malásia Najib Razak, no centro do escândalo.

De acordo com o porta-voz de Leonardo DiCaprio, este entregou voluntariamente o Óscar e ainda outras prendas, incluindo um quadro de autoria de Picasso, uma fotografia de Diane Arbus e uma colagem de Jean-Michel Basquiat.

Em outubro do ano passado, a sua equipa anunciara em comunicado que estava a cooperar com as autoridades e apoiava 'todos os esforços para garantir que se faz justiça neste assunto', acrescentando que tinha sido pedido ao Departamento de Justiça para verificar se ele ou a sua fundação tinham recebido quaisquer 'prendas ou donativos' direta ou indiretamente das pessoas sob investigação, para, se fosse o caso, assegurar 'a sua devolução o mais depressa possível'.

Embora não existam planos para entregar o salário do filme - alegadamente 25 milhões de dólares -, o mesmo representante referiu agora que o ator tenciona disponibilizar quaisquer "prendas ou donativos" sob especulação com "a ajuda e indicações do governo".

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.