Israel venceu o Festival Eurovisão da Canção 2018. Netta, com o tema "Toy", foi o tema mais votado pelo público e chegou ao fim da noite com 529 pontos. Já Portugal ficou no último lugar, sendo o país com menos pontos (39) dos 26 concorrentes. A final decorreu este sábado, 12 de maio, na Altice Arena, em Lisboa.

"Obrigado por aceitarem a diferença", frisou a cantora israelita ao receber o troféu das mãos de Salvador Sobral. A última vitória de Israel tinha sido em 1998, há 20 anos.

Veja os festejos dos israelitas na sala de imprensa:

No segundo lugar ficou o Chipre, com 436 pontos, e na terceira posição a Áustria, com 342 pontos.

A canção da Áustria liderava a tabela de pontuação após a votação dos júris nacionais, com 271 pontos, enquanto a de Israel era 3.ª, com 212 pontos, e a do Chipre 5.ª, com 183 pontos.

Na votação do público, Israel obteve 317 pontos, suficientes para vencer, sendo a canção do Chipre a segunda mais votada pelos espectadores. O tema da Áustria não foi além da 13.ª posição na votação do público.

Esta foi a quarta vez que Israel venceu o concurso, depois dos triunfos em 1978, 1979 e 1998, neste último ano com o tema “Diva”, interpretado pela transsexual Dana International.

O primeiro país a dar pontos à canção portuguesa foi a Holanda (2 pontos). Espanha deu zero pontos à canção "O Jardim", enquanto a Irlanda atribuiu seis pontos a Cláudia Pascoal e Isaura.

A Suíça deu 3 pontos a Portugal e 12 pontos a Alemanha. Já o júri português deu 12 pontos à Estónia.

Na votação do júri, Áustria ficou em primeiro lugar com 271 pontos.

Na votação do público, Portugal foi o segundo país menos votado. No total, "O Jardim" somou 39 pontos.

Ao contrário de 2017, as votações foram bastante renhidas até ao final.

Os finalistas da Eurovisão foram escolhidos em duas semifinais: na primeira semifinal, Áustria, Estónia, Chipre, Lituânia, Israel, República Checa, Bulgária, Albânia, Finlândia e Irlanda garantiram passagem até à final. Já na quinta-feira, as canções da Sérvia, Moldávia, Hungria, Ucrânia, Suécia, Austrália, Noruega, Dinamarca, Eslovénia e Holanda foram as mais votadas, qualificando-se para a final.

Portugal, por ser o país organizador, e os "Big Five" (Espanha, França, Alemanha, Reino Unido e Itália) tiveram acesso direto à final.

Dos finalistas aos convidados especiais: foi assim grande final

A final do festival começou em silêncio, com fado. Ana Moura foi a primeira a subir ao palco Festival Eurovisão da Canção com "Loucura (Sou do fado)", tema composto por Júlio de Sousa. De seguida, Mariza  cantou para todo o mundo "Barco Negro", recebendo a primeira grande ovação da noite. Recorde as atuações.

Na sala de imprensa fez-se silêncio para ouvir Mariza:

A festa seguiu com os Beatbombers e com a banda sonora oficial do festival, dando início ao desfile das bandeiras dos vários países por ordem de atuação. Portugal, por ser o país anfitrião, foi o último a subir a palco.

Tal como na segunda semifinal, Daniela Ruah, Catarina Furtado, Sílvia Alberto e Filomena Cautela começaram cumprimentar o público. "Boa noite, Europa. Bom dia, Austrália. Bem-vindos à grande final do Festival Eurovisão da canção", disseram as apresentadoras.

Antes do arranque do desfile das canções, as anfitriãs relembraram que ao longo da noite todas as questões seriam respondidas: "Quem irá vencer? Com quantos pontos? Onde será a próxima edição? E a pergunta mais importante... onde será a after party?", gracejaram.

A assistir à final esteve o primeiro-ministro, António Costa, e os ministros da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, das Finanças, Mário Centeno, e da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

Espreite as melhores imagens das atuações:

Ucrânia: MELOVIN - "Under The Ladder"

A Ucrânia, este ano representada por Melovin, vai abriu o espetáculo - a ordem de atuações das 26 canções a concurso no festival foi conhecida horas depois de terminar a segunda semifinal, que decorreu na noite desta quinta-feira, 10 de maio, na Altice Arena. Depois de sorteada em que metade iriam atuar os países, a organização decidiu o alinhamento do espetáculo.

Espanha: Amaia y Alfred - "Tu Canción"

Espanha, um dos 'big five', foi o segundo país a atuar na final. A dupla Alfred e Amaia apresentaram "Tu Canción" e aqueceram os corações do público na grande final.

Eslovénia: Lea Sirk - "Hvala, Ne!"

Depois da viagem por terras de 'nuestros hermanos', Lea Sirk levou o público a passear até à Eslovênia com "Hvala, ne!". Na conferência de imprensa depois da segunda semifinal, a artista confessou que compôs o tema em 10 minutos e que já está ansiosa por escrever a próxima canção. 

Durante a atuação, a artista simula um problema técnico e pede a ajuda do público.

Lituânia: Ieva Zasimauskaitė - "When We're Old"

No alinhamento, depois da energia música eletrónica de Lea Sirk, seguiu-se um momento de tranquilidade com "When We’re Old", de Ieva Zasimauskaitė (Lituânia). A atuação deixou a Altice Arena em silêncio, com milhares de telemóveis a iluminar a sala.

Áustria: Cesár Sampson - "Nobody But You"

A festa seguiu com Cesár Sampson, o representante escolhido para representar Áustria. Na atuação, o músico surge no topo de uma plataforma elevatória e está acompanhado por um coro de cinco vozes.

Estónia: Elina Nechayeva - "La Forza"

Com um bilhete postal gravado em Sintra, Elina Nechayeva, da Estónia, apresentou "La Forza", uma tema lírico. A atuação da artista, que usa um vestido com projeções, mereceu um forte aplauso.

Noruega: Alexander Rybak - "That's How You Write a Song"

Seguiu-se um repente nestas lides 'eurovisivas': Alexander Rybak, que já venceu a Eurovisão, conquistou um lugar na final com "That's How You Write A Song". Durante a atuação, o norueguês mostrou estar totalmente à vontade em palco, fazendo olhares fortes para as câmaras.

Portugal: Cláudia Pascoal - "O Jardim"

Depois da animação de Alexander Rybak, foi a vez da dupla portuguesa subir  ao palco da Altice Arena. Cláudia Pascoal surgiu sozinha em palco, rodeada por luzes em tons de amarelo. Isaura juntou-se à cantora a meio da canção, para o verso com mais batidas. No final, o tema recebeu uma ovação e elogios do público - na sala de imprensa, "O Jardim" também recebeu um grande aplauso.

Reino Unido: SuRie - "Storm"

Antes do Reino Unido, Filomena Cautela conversou a delegação da Estónia e até cantou: a apresentadora "desvendou" a letra secreta do hino da Eurovisão. A britânica SuRie apresentou "Storm" e, apesar de estar no final da tabela nas casas de apostas, animou o público.

A atuação da artista ficou marcada por uma invasão de palco.

Sérvia: Sanja Ilić & Balkanika - "Nova Deca"

Depois da festa do Reino Unido, que faz parte dos 'big five', seguiu-se um momento mais calmo e protagonizado por Sanja Ilić e Balkanika, da Sérvia. O tema "Nova Deca" conquistou um lugar na final para surpresa de muitos dos fãs do festival.

Alemanha: Michael Schulte - "You Let Me Walk Alone"

No alinhamento seguiu-se mais uma balada. Michael Schulte, "o Ed Sheeran alemão", apresentou "You Let Me Walk Alone" e mereceu um grande aplauso.

Albânia: Eugent Bushpepa - "Mall"

A animação regressou ao palco com o albanês Eugent Bushpepa. O tema "Mall", cantado na língua materna.

França: Madame Monsieur - "Mercy"

Os franceses Madame Monsieur subiram a palco com "Mercy" - a França também faz parte dos 'big five'. Muitos dos fãs que assistiram à final ao vivo cantaram com a dupla, que partiu para esta edição entre as favoritas.

República Checa: Mikolas Josef - "Lie To Me"

Para se apresentar ao mundo da Eurovisão, Mikolas Josef gravou o seu bilhete posta com os Caretos, personagens de Trás-os-Montes e Alto Douro. Em palco, o concorrente da República Checa mostrou o seu talento para a dançar e fez a festa na Altice Arena com "Lie To Me".

Ao contrário dos ensaios e da semifinal, Mikolas terminou a atuação com um salto mortal.

Dinamarca: Rasmussen - "Higher Ground"

Seguiu-se a atuação de Rasmussen, nome artístico de Jonas Flodager Rasmussen - o músico de 33 anos já participou em musicais como “West Side Story” e “Os Miseráveis”, bem como em concertos de tributo a Elton John, Paul McCartney ou ABBA.

A canção "Higher Ground", inspirada no 'viking' Magnus Erlendsson e na sua recusa em participar na Batalha de Anglesey, em 1098, por defender a não-violência, foi uma das mais marcantes da grande final.

Com 'barcos' em pano de fundo, os artistas que representam o país estão vestidos como vikings e apostaram numa coreografia com garra.

Austrália: Jessica Mauboy - "We Got Love"

Diretamente da Austrália para o palco do festival, Jessica Mauboy é, nas palavras de Pedro Granger, um "anjo da Eurovisão". Tal como na segunda semifinal, a cantora voltou a usar um vestido brilhante e animou a plateia.

Jessica Mauboy é uma das artistas com mais sucesso na Austrália - saltou para a ribalta em 2006 quando, aos 16 anos, participou no programa "Ídolos", tendo desde então lançado cinco álbuns que atingiram o top 10. A experiência da cantora é clara durante a atuação.

Finlândia: Saara Aalto - "Monsters"

Antes da atuação da Finlândia,  a cantora suíça Lys Assia, conhecida por ser a vencedora do primeiro Festival da Eurovisão da Canção, que faleceu a 24 de março, foi homenageada.

Saara Aalto, uma das artistas mais acarinhadas pelos fãs da Eurovisão, apresentou “Monsters” numa espécie de trono de leds giratório.  A cantora, a pessoa finlandesa mais pesquisada no motor de busca Google em 2017, terminou a atuação rodeada por uma chuva de fogo de artifício.

Bulgária: EQUINOX - "Bones"

A Bulgária conquistou um lugar na final na primeira semifinal do Festival Eurovisão da Canção. Este ano, o país é representado pelo grupo Equinox, formado especificamente para a Eurovisão e composto por cinco elementos que nunca tinham atuado juntos.

Moldávia: DoReDos - "My Lucky Day"

A Moldávia apresentou este ano um dos temas mais animados de todo o festival.  "My Lucky Day", dos DoReDoS, conquistou todo o público.

Suécia: Benjamin Ingrosso - "Dance You Off"

Benjamin Ingrosso mostrou os seus dotes para a dança no palco da Eurovisão. A atuação simples conquistou uma das maiores ovações na Altice Arena, apesar da performance estar preparada especialmente para a televisão.

Hungria: AWS - "Viszlát Nyár"

Os AWS, formados em Budapeste e 2006 e que se descrevem como uma “banda de metal moderna com atitude”, representam Hungria com uma música cantada na língua materna. Fogo, saltos ao ritmo dos acordes e a energia do vocalista marcaram a atuação que se destacou de todas as outras.

Israel: Netta - "Toy"

A festa seguiu com Netta, de Israel. "Toy" animou o público e, na plateia, as bandeiras azuis e brancas destacaram-se. Na sala de imprensa, os jornalistas israelitas também fizeram a festa.

Holanda: Waylon - "Outlaw in 'Em"

Depois de Netta animar o público, o country dominou a Altice Arena. Em palco, Waylon, da Holanda,  esteve acompanhado por quatro músicos - na verdade, nenhum deles tocou os instrumentos porque são pré-gravados, sendo só a voz ao vivo.

Irlanda: Ryan O'Shaughnessy - "Together"

A tranquilidade voltou logo depois à sala lisboeta com o irlandês Ryan O’Shaughnessy, de 25 anos - o músico tornou-se conhecido do público aos oito anos, como ator na telenovela "Fair City" - aos 17 anos decidiu que a música era prioritária na sua vida e decidiu abandonar o elenco. No palco da Eurovisão, o cantor apresentou uma balada, “Together”, que aqueceu os corações do público.

Chipre: Eleni Foureira - "Fuego"

A penúltima a atuar foi Eleni Foureira, representante do Chipre. Com “Fuego”, a cantora transformou a Altice Arena numa grande pista de dança e já há quem lhe chame a Beyoncé do Mediterrâneo. Na sala de imprensa, o tema foi o mais aplaudido da noite, prevendo o bom resultado da noite.

Itália: Ermal Meta e Fabrizio Moro - "Non Mi Avete Fatto Niente"

O desfile das atuações fechou com a atuação de Itália. Ermal Meta e Fabrizio Moro subiram ao palco antes das 22h00 e não conseguiram captar a atenção do público, que ainda festejava o "Fuego", de Eleni Foureira.

Branko, Salvador Sobral e Caetano Veloso

No final das atuações dos países a concurso, Branko, na companhia de Plutónio, Sara Tavares, Mayra Andrade, e Dino D'Santiago, deram a conhecer a música portuguesa ao mundo. No palco da Altice Arena, Dino D'Santiago apresentou "Nova Lisboa".

Há um ano, em Kiev, na Ucrânia, Salvador Sobral conquistou a primeira vitória de Portugal no Festival Eurovisão da Canção. Este sábado, 12 de maio, o cantor subiu ao palco do concurso, na Altice Arena, para apresentar o seu novo single, "Mano a Mano", e para cantar com Caetano Veloso.

O cantor português e o artista brasileiro subiram ao palco da Altice Arena para recordar "Amar pelos dois", tema que venceu o Festival Eurovisão da Canção em 2017, em Kiev (Ucrânia).

Júlio Resende acompanhou os músicos ao piano.

Na sala de imprensa, fez-se silêncio total para ouvir Salvador Sobral e Caetano Veloso.

Veja no vídeo a atuação vista na sala de imprensa:

Newsletter

Fique a par de todas as novidades do SAPO Mag. Semanalmente. No seu email.

Notificações

Os temas quentes do cinema, da TV e da música estão nas notificações do SAPO Mag.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.